Embraer terá dias difíceis após Boeing cancelar contrato

Rubens Barbosa afirma que a empresa brasileira tentará buscar novas áreas comerciais, como a espacial, por exemplo

O cancelamento do contrato da empresa Boeing com a Embraer e também o cancelamento da venda do cargueiro militar KC 390, o maior avião produzido no Brasil, abalam o futuro da Embraer. De acordo com o professor Rubens Barbosa, a Embraer abriu um processo de arbitragem para ser indenizada pelas perdas e danos causadas pelo cancelamento e receber também a multa contratual. Ele afirma que esse processo judicial é longo e demorado e não será resolvido antes de dois anos.

Então, qual será o futuro da Embraer? Barbosa analisa que a empresa continuará a competir no mercado global de transporte aéreo, que estará mudado com a recessão e com a diminuição dos voos que afetarão todas as companhias. Para ele, a Embraer vai continuar trabalhando no Brasil, buscando entrar em novas áreas, como a espacial, no centro de lançamento de Alcântara, por exemplo. “É um problema sério, que ainda terá outros desdobramentos”, reflete.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Diplomacia e Interesse Nacional.


Diplomacia e Interesse Nacional
A coluna Diplomacia e Interesse Nacional, com o professor Rubens Barbosa, vai ao ar toda terça-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.