É possível se apaixonar por robôs e tecnologias?

O colunista acredita que sim. O termo adequado é digisexualidade e define pessoas sexualmente atraídas por robôs ou outras formas de tecnologia

Na coluna Datacracia desta semana, Luli Radfahrer discute a digisexualidade, um neologismo surgido em meados de 2017 para definir pessoas sexualmente atraídas por robôs ou outras formas de tecnologia. Para o colunista, a problemática da junção do sexo e da tecnologia é quando uma relação casual com uma máquina se torna central, a ponto de definir a identidade e limitar as formas de contato humano. 

Segundo Radfahrer, a digisexualidade não é tão surpreendente se se pensar no fato de que a tecnologia se tornou uma parte da vida real. Bonecas e artefatos tecnológicos sexuais são pautados há muito tempo. “Um digisexual não é alguém que usa tecnologias ou próteses digitais, porque isso poderia ser qualquer um de nós, mas é alguém que ama, se apaixona pela inteligência artificial. Sua conexão com a tecnologia está muito próxima da conexão que a gente faria com humanos.” 

Mas o professor adverte: “Isso não é sexualidade. É manipulação extrema. O que a gente está chamando de digisexualidade não é uma opção sexual, não é uma perversão, não é um fetiche, é uma exploração psicológica feita por um sistema artificial e isso pode ser muito mais enquadrado numa espécie de abuso do que numa espécie de opção”.

Ouça a coluna na íntegra pelo player acima.


Datacracia
A coluna Datacracia, com o professor Luli Radfahrer, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.