E por falar em histórias da carochinha…

A professora Marisa Midori apresenta os “Contos da Carochinha”, de Figueiredo Pimentel

 02/04/2021 - Publicado há 8 meses  Atualizado: 09/04/2021 as 10:30
Por

“A expressão ‘isso são histórias da carochinha’ me acompanha desde a infância”, diz a professora Marisa Midori, que apresenta em sua coluna Bibliomania desta semana as histórias contadas por Figueiredo Pimentel. Segundo ela, no Dicionário Houaiss, a palavra carochinha não tem o sentido de mentira, ou de uma história que foi tão bem contada, mas tão bem contada, que todo mundo acaba acreditando nela. “O mesmo dicionário não conhece a origem etimológica do termo. No entanto, entre as muitas definições que se lhe aplicam, apareceu no nosso vernáculo, em meados século 19, uma que vem bem a calhar: carochinha pode ser sinônimo de baratinha”, afirma.

“E é nesse ponto que abandonamos a mentira dos adultos para adentrar no universo das crianças. Aqui, o que importa é a verossimilhança interna da narrativa e o gosto de ver os olhos brilhantes e arregalados de uma criança, quando ouve uma história, comenta. Pelo menos, diz, essa deve ter sido a motivação de Figueiredo Pimentel, o contador das histórias da carochinha e da baratinha que conquistou várias gerações de pequenos leitores, ou de pequenos ouvintes. A professora informa que essas histórias foram reunidas na célebre Biblioteca Infantil Quaresma, iniciada em 1894, justamente, pelos Contos da Carochinha, às que se seguiram outros muitos volumes.

Além disso, a professora esclarece que não são histórias originais, mas adaptadas, e iniciaram uma longa trajetória de edição de textos em português destinados ao público brasileiro. “Os chamados livros de leitura para crianças eram amiúde importados de Portugal, de modo que o projeto empreendido pelo editor e livreiro Quaresma, no sentido de popularizar edições com o nosso sotaque, foi muito bem-sucedido. Logo de cara saíram outros títulos, cujas narrativas, inspiradas em Andersen, Grimm e Perrault, ganharam uma nova roupagem nos volumes intitulados: Histórias da Avozinha, Histórias da Baratinha, Teatrinho Infantil e Álbum das Crianças”, relata. E, no final, Marisa lança uma pergunta: “E você, anda acreditando em muitas histórias da Carochinha?”.


Bibliomania
A coluna Bibliomania, com a professora Marisa Midori, vai ao ar toda sexta-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.