É legítimo chamar os conflitos na Síria de guerra civil ?

É o que pergunta a professora Marília Fiorillo, que prefere, ao termo guerra civil, o uso da palavra genocídio para definir o que ocorre naquele país

Retomando um dos temas da coluna anterior, a professora Marília Fiorillo fala hoje (28) sobre os conflitos na Síria, chamados de guerra civil, quando seria mais preciso caracterizá-los como genocídio. Após observar  que “a literatura especializada sobre o termo genocídio é vasta e nem sempre unânime”, ela afirma que prefere ficar com a definição dos capacetes brancos, a defesa civil síria, que há quase uma década retira pessoas dos escombros, resgata feridos, providencia assistência médica, realoca os desabrigados e tenta mitigar o sofrimento da população.

Esses mesmos capacetes brancos, diz a colunista, pediram à comunidade internacional que tratasse os acontecimentos da Síria não como guerra, mas como genocídio. “As palavras têm peso. Detalhes de terminologia podem decidir sobre a vida de milhões”. Ainda está muito presente na memória o genocídio de Ruanda, em 1994: um milhão de pessoas foi dizimado pelo governo e por forças milicianas. Na época, o governo dos EUA foi instruído a evitar o termo genocídio para não inflamar a opinião pública.

“Sem petróleo ou riquezas minerais importantes, um milhão de vidas em Ruanda não valia o uso da palavra genocídio e muito menos gastos com o envio de tropas”, diz Marília Fiorillo. Acompanhe o comentário, na íntegra, pelo link acima.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.