Covid-19 concentra uso da internet em poucas empresas

Gisele Beiguelman considera que modelo de cidadelas fortificadas da web 2.0 acirra desigualdades sociais

 

“Há dez anos, a revista Wired chegava às bancas com uma capa perturbadora. The Web is Dead (A Internet Morreu). A chamada de capa remetia a dois artigos de autoria de Chris Anderson e de Michael Wolff”, lembra Giselle Beiguelman em sua coluna Ouvir Imagens, da Rádio USP (clique e ouça o player acima). “Os coveiros da internet eram as redes sociais, os aplicativos e a alta concentração de serviços em algumas poucas empresas. Os autores mostravam como a virada da web 2.0 configurou um sistema em que o centro de interesses das empresas migrou do conteúdo para a tecnologia em si.”

Segundo a professora, o que chamamos de web 2.0 não remete à emergência de um novo protocolo de internet, mas a uma nova arquitetura de informação que viabiliza outro uso da internet. “Ao invés de ser apenas um gigantesco arquivo de páginas, ou seja, de conteúdo disponível para consumo, a internet passa a funcionar como plataforma, baseada em bancos de dados, para desenvolvimento e criação, sem demandar grandes repertórios tecnológicos dos usuários.”

O sistema, que promete a era do conteúdo gerado pelo consumidor, entrega uma concentração sem precedentes nas mãos de algumas poucas empresas. “Se é verdade que os bancos de dados facilitam o acesso por muitos, é fato também que a conexão de tantos sites, como existem hoje na www, só é possível através de centros altamente conectados e operados automaticamente, que apenas empresas de grande porte têm capacidade de manter.”

A colunista explica que, nessa arquitetura, consolida-se o modelo da computação em nuvem, baseado no compartilhamento de servidores interligados via internet. “Operam nas nuvens desde redes sociais, como Facebook e Twitter, a empresas de software, como Microsoft, lojas como Amazon, iTunes, Google Play, serviços como e-mail e armazenamento em drives virtuais, do tipo do Gmail, Outlook e Dropbox, além de programas governamentais de dados abertos.”

Na sua avaliação, a facilidade de uso é a razão de ser de seu sucesso, mas é também o que converteu a internet num espaço povoado de cidadelas fortificadas, onde as pessoas vivem dentro de alguns poucos sites e serviços populares dominantes. “A experiência de isolamento social determinado pela covid-19 consolida este modelo, evidenciando que uma das questões centrais do pós-pandêmico é pensar formas de reocupar os espaços informacionais. Afinal, eles são constituintes da nossa vida social e não só refletem como também acirram as desigualdades do mundo real em que estamos.”


Ouvir Imagens 
A coluna Ouvir Imagens, com a professora Gisele Beiguelman, vai ao ar toda segunda-feira às 8h00, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.