Conheça a doença ocular chamada de “pequena asa”

Conhecida como pterígio, uma pele que cresce sobre a córnea, a “pequena asa” pode afetar a visão, causando o astigmatismo

Nesta edição da coluna Fique de Olho, o professor Eduardo Rocha fala sobre pterígio, uma pequena membrana que cresce sobre a córnea, chamada também de “pequena asa”.

Rocha informa que o pterígio pode afetar a visão, “fazendo com que apareça o astigmatismo”. O professor traz informações sobre estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com colaboração de professores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, que revelou a presença de deficiência visual em aproximadamente 4% da população adulta da região amazônica e “a presença de pterígio em até 60% dos indivíduos adultos”. 

A alteração é mais frequente em homens, segundo Rocha, e, “em geral, nos de menor escolaridade ou que talvez estejam mais expostos ao trabalho ao sol”, sendo este um fator de vulnerabilidade ao pterígio, assim como o ato de coçar os olhos. 

O professor lembra que, para aqueles que têm a doença ocular ou predisposição genética para desenvolvê-la, alguns cuidados são necessários: evitar uso de colírios e proteger os olhos de ações do ambiente, utilizando, por exemplo, óculos com filtro ultravioleta. Mas, alerta Rocha, o melhor é “procurar o seu médico e juntos avaliar a possibilidade de sua abordagem cirúrgica ou uma correção de atos” para conter o pterígio, que, ao não progredir, pode evitar maiores complicações.  


Fique de Olho
A coluna Fique de Olho, com o professor Eduardo Rocha, vai ao ar toda quarta-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.