Como fugir da lógica do dilema das redes?

Guilherme Wisnik comenta o docudrama “O Dilema das Redes”, que mostra como as redes sociais manipulam e distorcem informações com o intuito de atender interesses comerciais

A polêmica criada em torno do documentário Dilema das Redes, lançado este ano pela Netflix, levou o professor Guilherme Wisnik a dedicar sua coluna desta semana a comentar a obra, que é crítica às redes sociais e conduzida por meio de entrevistas com pessoas que atuaram nas grandes empresas da área. O cenário é distópico. “É um capitalismo de vigilância, onde as redes sociais justamente operam recolhendo os dados dos usuários e nos deixando viciados nesse sistema, porque por trás disso tem uma rede comercial muito forte, que depende da captura da nossa atenção – quanto mais tempo, melhor para eles – e para isso nos bombardeiam com propostas”, diz Wisnik em um dos trechos de seu comentário.

A lógica embutida nesse jogo é a de compreender tendências do perfil de cada pessoa e enviar informações que atendam a esse perfil. Fica a questão de como sairmos dessa teia, pois esse é “um problema que está radicalizando o mundo, manipulando as informações e criando distorções muito sérias em nome de um comercialismo exacerbado”. Wisnik diz que o filme oferece soluções ingênuas para a solução do problema. De todo modo, fica o alerta de que “as redes estão lançando um xeque-mate à humanidade”. E mais: na visão do colunista,  a internet, que começou como algo anárquico, transformou-se em um imenso ponto com, uma lógica que precisa ser revertida.


Espaço em Obra
A coluna Espaço em Obra, com o professor Guilherme Wisnik, vai ao ar toda quinta-feira às 9h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.