Patinetes elétricos não resolvem problemas de mobilidade em grandes cidades

Para Nabil Bonduki, em relação à saúde dos usuários e à mobilidade ativa, que inclui a caminhada e o uso de bicicletas, o patinete elétrico “só tem desvantagens”

Na edição de Cotidiano na Metrópole desta semana, o arquiteto e urbanista Nabil Bonduki, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, discute os impactos dos patinetes elétricos na rotina das grandes cidades.

“Do ponto de vista do usuário, o patinete é atraente, mas ele é perigoso em uma cidade como São Paulo”, alerta o especialista ao reforçar que, além do design com rodas pequenas e pouca proteção para o usuário, o patinete circula, muitas vezes, em solos irregulares. Ambos os fatos ampliam a chance de acidentes.

Mesmo quando em pistas adequadas e ciclovias, para o professor, os patinetes concorrem com o transporte de carros e de pedestres, o que gera ainda mais riscos. “O que me surpreende é que a maior parte dos acidentes são graves, com 84% dos acidentes incluindo quebras de ossos ou algum tipo de traumatismo”, afirma ele. Para Bonduki, em relação à saúde dos usuários e à mobilidade ativa, que inclui a caminhada e o uso de bicicletas, o patinete elétrico “só tem desvantagens”.

Além disso, o urbanista reforça que o alto custo de produção e manutenção dos patinetes pode ser prejudicial para o meio ambiente. “Estudos mostraram que a vida útil de um patinete de aluguel é de 28 dias, portanto, precisa-se produzir muitos patinetes utilizando lítio, alumínio e uma série de materiais que, no processo de produção, geram emissão de carbono”, finaliza.


Cotidiano na Metrópole
A coluna Cotidiano na Metrópole, com o professor Nabil Bonduki, vai ao ar toda terça-feira às 9h30, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.