Colaboração entre países é vital para combater a resistência microbiana

Silvia Figueiredo Costa explica que a pandemia de covid-19 mostrou ao mundo a importância dos países contribuírem para a saúde pública, num momento em que as superbactérias se expandem pelo planeta

 07/02/2024 - Publicado há 5 meses     Atualizado: 09/02/2024 as 9:45
O uso geral de antibióticos forma, com o processo de seleção natural, bactérias cada vez mais resistentes – Ilustração: Naille tairov via Wikimedia Commons/CC BY-SA 4.0
Logo da Rádio USP

A resistência de bactérias aos antibióticos convencionais é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma das dez maiores ameaças para o avanço das ciências medicinais. Buscar soluções para essa resistência crescente requer uma união de esforços globais e, nesse sentido, o evento internacional Antimicrobial Resistance Hackathon, que debateu o tema, teve a preocupação de contar com contribuições do Journal Trinity College, do Reino Unido, faculdades paulistas e outros pesquisadores do mundo todo.

A professora Silvia Figueiredo Costa, infectologista chefe do Laboratório de Resistência a Antibióticos do Instituto de Medicina Tropical da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, explica a importância do evento e quais soluções são estudadas para esse problema.

Por que as bactérias estão ficando mais resistentes?

Segundo a especialista, o uso geral de antibióticos forma, com o processo de seleção natural, bactérias cada vez mais resistentes, que exigem a produção de remédios cada vez mais potentes. Ela afirma que,  hoje em dia, os antibióticos são utilizados em diversas outras áreas além da saúde humana: “Nós temos agora um conceito chamado de saúde única, em inglês, one health. O que significa isso? Que o uso de antibióticos não acontece apenas para os humanos, mas também para os animais e na agricultura”, explica.

Silvia Figueiredo Costa – Foto: Arquivo Pessoal

Outros fatores que contribuem muito para o aumento da resistência microbiana é, de acordo com a professora, a falta de saneamento básico e o descarte inadequado dos antibióticos: “O descarte inadequado da droga, no uso na agricultura, contamina o ambiente. Então é possível achar antibióticos e bactérias existentes nas praias, nos rios e no esgoto que não é tratado, e em lugares onde não tem saneamento básico, outro problema é a água também, porque, da mesma maneira, a água pode ser contaminada com um antibiótico e com as bactérias existentes”.

Esforços globais e multidisciplinares

A pandemia de covid-19 mostrou ao mundo a importância dos países contribuírem para a saúde pública, e as superbactérias, além de atingirem diversas partes do mundo, afetam também diversas áreas do conhecimento. O evento contou com, além de profissionais e pesquisadores da saúde humana, veterinários, engenheiros e profissionais de inteligência artificial.

Esteve presente também um representante da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, para que nós pudéssemos pensar em soluções diante de um problema que é colocado. Os grupos são divididos e as pessoas tentam resolver aquele problema de maneira rápida para que não aconteça uma epidemia, por exemplo, de bactérias resistentes a todos os antimicrobianos. Seria um problema terrível”, conta Silvia.

A importância da vigilância

Conforme conta Silvia, para solucionar o problema é necessário uma rede rápida de informações sobre saúde no âmbito global. São necessários testes rápidos para que possam ser identificados, rapidamente, casos de infecções por superbactérias, e aumentos de casos registrados, por exemplo, devem ser notificados rapidamente – daí a contribuição dos profissionais de inteligência artificial.

Além disso, ela afirma que é importante desenvolver, além de antibióticos mais potentes, outros tratamentos para as bactérias: “Na própria USP existe um grupo muito importante, que vem trabalhando a possibilidade de usar uma terapia que já foi desenvolvida há muitos anos, mas terminou sendo esquecida, que é a fagoterapia”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.