Cirurgia oferece melhores resultados para dor ciática crônica

Estudo recém-publicado por especialistas ingleses comprova vantagens da microdissecção da hérnia de disco lombar para controle da dor

Geralmente, o tratamento da dor aguda do nervo ciático é realizado por medicamentos. Mas, quando se estende por mais de três ou quatro meses, os médicos consideram o quadro doloroso como crônico e, segundo o professor Octávio Pontes Neto, até recentemente não se sabia qual era o melhor tratamento, “se clínico ou cirúrgico”.

Nesta edição da coluna Minuto do Cérebro, Pontes Neto informa que um estudo recém-publicado pela New England Journal of Medicine mostra que uma cirurgia bem comum e pouco invasiva, a microdissecção lombar, foi superior na redução da dor, mesmo após seis meses, em indivíduos que sofriam com dores crônicas do nervo ciático .

O professor explica que a dor ciática é causada por uma compressão das raízes nervosas que formam o maior nervo do corpo humano. Esse nervo se estende da parte de trás e superior da perna, alto da coxa, até o maior dedo do pé, o hálux. É responsável por toda a parte sensitiva e motora da parte posterior da perna.

Quem sofre com o problema tem dor de forte intensidade, que se irradia da parte posterior da coxa e que aumenta de intensidade quando a pessoa tosse, espirra ou tem um estiramento da coluna. Pode ter ainda diminuição da força, perda da sensibilidade e alterações do reflexo nessa região do corpo. Geralmente, a dor é causada pela compressão do nervo ciático, com um estreitamento do canal lombar desencadeado por uma hérnia de um disco da coluna, comprimindo a raiz do nervo.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Minuto do Cérebro.


O minuto do Cérebro
A coluna O minuto do Cérebro, com o professor Octávio Pontes Neto, vai ao ar toda terça-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.