Cientistas do Reino Unido mostram que é possível reverter a perda de memória em camundongos

Descoberta pode ajudar a desenvolver tratamentos para prevenir a perda da memória e o envelhecimento

 30/07/2021 - Publicado há 3 meses  Atualizado: 02/08/2021 as 8:37

Cientistas do Reino Unido mostraram que é possível reverter a perda da memória e a plasticidade cerebral. O estudo, feito em camundongos, analisou se a manipulação da composição do sulfato de condroitina poderia restabelecer a neuroplasticidade e reverter a perda da memória.

O sulfato de condroitina está presente nas redes perineuronais (estruturas que envolvem os neurônios no cérebro cuja função é controlar o nível de plasticidade).

Para realizar o experimento, o grupo do Reino Unido comparou camundongos de 20 meses (considerados bem idosos), com animais de seis meses. Um dos experimentos consistia em um teste para verificar se o camundongo reconhecia um objeto antigo.

Na edição de hoje (29), a professora Mayana Zatz, diretora do Centro de Estudos sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) da USP, dá detalhes sobre o estudo, publicado na revista Molecular Psychiatry.


Decodificando o DNA
A coluna Decodificando o DNA, com a professora Mayana Zatz, vai ao ar quinzenalmente toda quarta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.