Ciência que rastreia jogadores em campo movimenta bilhões de dólares

A pesquisa virou negócio lucrativo em pouco tempo; mas, segundo o especialista, ainda é possível aos cientistas do esporte desenvolverem suas ferramentas

 20/05/2022 - Publicado há 3 meses

Nesta edição da coluna Ciência e Esporte, o professor Paulo Santiago fala sobre o tracking computacional ou rastreamento de jogadores em campo. A atividade começou como pesquisa científica, “sem grande aplicação aparente, e hoje é um grande negócio que movimenta bilhões”.

Santiago diz que as informações (tempo, velocidade, distância) dos jogadores nas partidas de futebol, por exemplo, são importantes para os preparadores físicos e analistas de desempenho dos times. Mas, “com a multiplicação das casas de apostas on-line, o valor aproximado de cada partida fica na faixa dos US$ 250 e US$ 500”, afirma o professor.

Essa ciência virou negócio lucrativo em pouco tempo e, avalia Santiago, “é compreensível que grandes clubes invistam esse montante para obter dados de jogos, mas pesquisadores pagarem tudo isso torna-se totalmente inviável”.

Hoje, continua, existem pesquisadores que investem nessas análises e dados, como as análises laboratoriais de clínicas biológicas. “São raros os grupos que trabalham com ciência e esporte e, em específico com o futebol, que são capazes de resolver esse tipo de problema”, conta Santiago.

A saída para os pesquisadores, adianta o professor, é adquirir autonomia, criando sua própria tecnologia (software) para obter esses dados. Para Santiago, o setor de pesquisa ainda se ressente com formação insuficiente na área de tecnologia ligada à computação. Acredita que é possível às pessoas que trabalham com pesquisa na área do esporte “aprenderem mais informática e computação” para desenvolverem as ferramentas que necessitam.


Ciência e Esporte
A coluna Ciência e Esporte, com o professor Paulo Santiago, vai ao ar toda sexta-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.