Brasil ultrapassa 100 mil mortes por covid-19

José Alvaro Moisés comenta que governo e sociedade são responsáveis pela situação chegar a este ponto

Chegar a esse número é uma tragédia horrível, como poucas que ocorreram na história do País e mais grave ainda pelas circunstâncias como ela ocorreu. O professor José Álvaro Moisés lembra que esses números se assemelham aos 100 mil mortos anualmente por acidentes de trânsito e mais de 60 mil pessoas que morrem em crimes de latrocínio. No caso do coronavírus o que transforma essa tragédia em um verdadeiro horror, causa revolta e traz um sentimento de indignidade diante do que ocorreu é que o Brasil teve uma espécie de janela, que os analistas chamaram a atenção pouco mais de um mês antes que a pandemia chegasse ao País. Isto permitiu ver o que acontecia nos outros países e aprender com eles, o que não ocorreu.

O presidente Jair Bolsonaro minimizou o fato, transformou a crise do coronavírus em uma “gripezinha”, desprezou as possíveis consequências para a sociedade, não preparou o governo, não liderou o País para enfrentar a situação, demitiu dois ministros em meio a uma enorme crise, não adotou as medidas de coordenação que levassem a uma cooperação, a um processo de forma a aproveitar a responsabilidade dos Estados, dos municípios junto com a União em uma estratégia global para enfrentar a crise.

As autoridades federais menosprezaram a estratégia de distanciamento social, que poderia ter evitado a expansão da contaminação. Mesmo no caso de Estados e municípios que adotaram as medidas adequadas, com a pressão que ocorreu, principalmente por setores econômicos, houve a antecipação do momento da flexibilização, o que aumentou o número de contaminados e mortos.

Para José Álvaro Moisés “as autoridades federais, estaduais e municipais devem ser cobradas pela sua responsabilidade, pelo que podiam ter feito e não fizeram. Mas a sociedade também precisa refletir sobre seu papel já que, por vezes, muitas pessoas, em várias cidades, lugares e situações, ao invés de adotar as medidas de isolamento social, e com isto evitar a expansão da contaminação, provocaram aglomerações, não usaram máscaras e outras medidas de proteção e saúde. É preciso refletir sobre isso”.

Ouça no player acima a íntegra da coluna A Qualidade da Democracia.


Qualidade da Democracia
A coluna A Qualidade da Democracia, com o professor José Álvaro Moisés, vai ao ar toda terça-feria às 8h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.