Após sobreviver a China e EUA, Vietnã vem superando também a pandemia

Apesar de fazer fronteira com a China e ter grande densidade populacional, até o momento, Vietnã contabiliza apenas 35 mortes por covid-19

 11/12/2020 - Publicado há 9 meses

No início da pandemia se previa uma “catástrofe” no Vietnã. O país, além de não ser exatamente rico, faz fronteira com a China, tem 97 milhões de habitantes e entre sua população existe a tradição de se aglomerar em calçadas para conversar, comer, jogar cartas ou cortar o cabelo. Porém, até o momento, houve no Vietnã apenas 35 mortes pela covid e 1.385 casos.

“O segredo é despolitizar a pandemia e tratar o caso como uma guerra sanitária. A ordem [das autoridades vietnamitas] foi isolamento, isolamento e isolamento e, na dúvida, testar, testar e testar”, comenta Marília sobre como o país vem superando a crise.

Ela conta que, desde o início da pandemia, as autoridades do país já rastreavam as rotas de transmissão do vírus. Os infectados eram hospitalizados e pessoas ligadas a eles eram colocadas em lockdown. “Ao tratar a crise como o que ela é, uma crise sanitária, não um pretexto para politicagens, não se precisou maquiar os dados, o uso de máscara viralizou. A rapidez da prevenção foi central. Quando os primeiros casos surgiram no país, as autoridades tomaram diversas precauções. Tanto que o Vietnã declarou estado de emergência um mês antes da Organização Mundial da Saúde”, aponta a especialista.

O diretor de um centro de mídia de Hanói, capital do país, concedeu uma interessante entrevista há cerca de um mês. Ele contou que recebeu um telefonema que avisava que o pai do “paciente número 17” havia jantado com outras pessoas na noite anterior. Apesar de o homem ter testado negativo para a covid duas vezes, as pessoas que com ele jantaram foram colocadas em lockdown e o local do encontro foi desinfectado.

“Se nos mantivermos vivos, a riqueza e a economia podem se recuperar”, diz uma propaganda do governo contra a pandemia. O pequeno Vietnã já derrotou em sua história dois grandes inimigos, a China e os EUA. O primeiro, cuja invasão marítima contiveram fincando no mar estacas que arrebentavam os cascos dos navios; e os norte-americanos, construindo túneis subterrâneos a poucos quilômetros da base americana em Saigon. “Vamos ver se eles conseguem derrotar esse terrível terceiro inimigo”, completa Marília.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.