Ao deixar de fazer shows ao vivo os Beatles inovaram nas composições

A escolha de não fazer mais apresentações ao vivo permitiu que os Beatles fizessem músicas mais complexas, com arranjos que, na época, não poderiam ser executados ao vivo

Nesta edição do programa História do Rock, o professor Mario De Vivo continua a série sobre o rock nos anos 60 e, desta vez, fala sobre os marcos históricos deixados pelos Beatles no ano de 1967.  

O professor conta que a banda decidiu não mais realizar shows ao vivo, já que os equipamentos da época não eram suficientes para competir com a gritaria dos fãs e os integrantes não conseguiam nem mesmo ouvir o que estavam tocando. O fato levou os Beatles a compor músicas mais complexas, com o uso de vários instrumentos e arranjos, que não poderiam ser executados ao vivo.   

A musicalidade multifacetada e inovadora da banda pode ser ouvida no álbum, Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, lançado em 1967. Além disso, o disco traz uma temática de músicos de coreto, com uma capa cheia de referências relacionadas à carreira dos próprios Beatles e personalidades da época.   

Ainda no mesmo ano, a banda gravou o álbum Magical Mystery Tour, trilha sonora do filme de mesmo nome, que também traz sons muito diferentes e revolucionários para a época, como no caso da música Strawberry Fields Forever. 

Os ouvintes podem enviar sugestões e comentários para o e-mail: rocknausp@usp.br.

Ouça, no player acima, a íntegra do programa História do Rock desta semana.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.