Acordo da ONU pretende proteger ainda mais a vida marinha contra atividades danosas

Decisão histórica para a questão ambiental ainda não é definitiva, mas representa esperança, diz a professora June Ferraz Dias

 10/03/2023 - Publicado há 9 meses
O texto tem foco nas regiões de alto mar que são áreas fora da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) dos países – Foto: Unsplash

O “Tratado do Alto Mar”, como ficou conhecido o acordo recente da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a proteção marinha, coloca que 30% das águas dos oceanos seriam águas protegidas. “Considerando que o planeta Terra tem 70% de água, quando a gente fala em ampliar para 30% de proteção, a gente tem um avanço significativo. Pensando num oceano único, num planeta único, nós vamos ampliar a proteção, que já temos através de diversos mecanismos para a área costeira, para o alto mar”, comenta a professora June Ferraz Dias, do Departamento de Oceanografia Biológica do Instituto Oceanográfico da USP.

Sobre o acordo

“Vem sendo discutido desde 2004, há 19 anos. Estamos vivendo uma crise tripla: a de mudanças climáticas, da poluição e da perda da biodiversidade”, coloca June. Em 2015, com a instituição dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pela ONU, começou um comprometimento com as questões sociais, ambientais e econômicas até 2030: “Existe um compromisso em ter um planeta com menos pobreza, com mais igualdade e mais oportunidades para todos. Agora, toda essa conjuntura faz com que seja fundamental termos uma meta para cumprir em sete anos”, acrescenta a especialista.

June Ferraz Dias – Foto: Arquivo Pessoal

O texto tem foco nas regiões de alto mar que são áreas fora da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) dos países, isto é, a 370 quilômetros da costa, e são regiões de domínio internacional: “Está fora da jurisdição dos países. O alto mar não é de ninguém, então, se não é de ninguém, todo mundo faz o que quer. É extremamente importante que seja conhecido e regrado e como é que isso vai ser fiscalizado, que controle vai ter”, explica June.

A necessidade de proteção das áreas de alto mar envolve a presença da pesca, da mineração em águas profundas e do tráfego marítimo. A União Internacional para a Conservação da Natureza estima que 10% das espécies marinhas estão ameaçadas de extinção. A professora comenta que existem muitas espécies e, com certeza, elas serão beneficiadas com o acordo, porém, ainda não existe uma lista fechada dessas espécies que estão sendo capturadas e pescadas.

“É uma grande esperança, mas ainda é preciso um espaço para ele se concretizar”, diz a professora. O acordo traz muitas expectativas positivas, mas ainda não foi assinado nem ratificado. Ele precisa passar por processos legais para ser válido juridicamente. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.