A fantasia no Carnaval remete à essência da festa

Guilherme Wisnik comenta sobre questões recentes que levantaram polêmica pelo uso de fantasias

Na coluna desta semana, o professor Guilherme Wisnik aborda a questão das fantasias no Carnaval, quando as pessoas se travestem em outras ou em personagens. Essa questão, por exemplo, levantou polêmica quando a atriz Alessandra Negrini apareceu com o corpo pintado com técnicas indígenas durante o desfile do bloco Acadêmicos do Baixo Augusta, na semana anterior ao Carnaval. A atriz foi acusada por internautas de “apropriação cultural” por usar elementos de outra cultura e acabou sendo defendida pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que assegurou que Alessandra é uma ativista.

No entanto, tal polêmica não cabe, já que, segundo Wisnik, “a essência do Carnaval, a ideia de carnavalizar, é você ser outro, você poder ser alguma coisa que não é, que está no campo de uma ficção que se festeja naquele momento.”

Acompanhe o comentário completo no link acima.


Espaço em Obra
A coluna Espaço em Obra, com o professor Guilherme Wisnik, vai ao ar toda quinta-feira às 9h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.