Telemedicina e seus aspectos regulatórios são temas de pesquisa na USP

Em entrevista ao podcast “Os Novos Cientistas”, o médico e advogado Sílvio Eduardo Valente buscou debater as questões regulatórias para o exercício da modalidade. O estudo deixa claro que é necessário avançar tanto nas regulamentações jurídicas quanto nos parâmetros éticos, já que a medicina a distância ainda sofre impasses para regulamentação no Brasil

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=261068
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Telemedicina e seus aspectos regulatórios são temas de pesquisa na USP
Novos Cientistas

 
 
00:00 / 12:42
 
1X
 

Uma pesquisa de doutorado, desenvolvida na Faculdade de Direito (FD) da USP, analisou as questões regulatórias que envolvem o exercício da telemedicina no Brasil. O médico e advogado Sílvio Eduardo Valente, autor do estudo, concedeu entrevista na quinta-feira (25/7) aos Novos Cientistas, onde explicou, entre outras coisas, a necessidade de a modalidade avançar tanto nas regulamentações jurídicas quanto nos parâmetros éticos.

A tese de doutorado Aspectos regulatórios da telemedicina no Brasil: repercussões na responsabilidade das equipes de saúde, que teve orientação do professor Roberto Augusto de Carvalho Campos, mostra como a telemedicina é uma prática que avança no País. No entanto, a norma que regulamenta a atuação médica a distância – resolução 1.643, de 2002 -, segundo Valente, está atrasada em relação a todo o desenvolvimento tecnológico alcançado nos últimos 17 anos. Recentemente, uma nova proposta de resolução (2.227, de 2018), que delimitava melhor o exercício da telemedicina, ganhou notoriedade. Entretanto, não foi implantada porque houve muitas manifestações de médicos e entidades representativas da classe. O Conselho Federal de Medicina decidiu revogá-la, alegando que a questão não tinha sido suficientemente discutida. Segundo o pesquisador, a nova norma traria muitas inovações na relação entre médico e paciente. Em comparação, deu o exemplo dos atendimentos psicológicos a distância, que já são permitidos pelo Conselho Federal de Psicologia, beneficiando pacientes.

Apesar da norma vigente ser de 2002, houve um avanço sobre o tema no Código de Ética Médica. Antes, existia uma vedação formal para a prática da telemedicina, mas ela foi retirada no Código publicado em 2019. O grande problema é que “ainda não existe uma permissão formalizada”, pondera Valente, entendendo que não basta não proibir. “O Código de Ética Médica coloca que não existe mais a vedação, mas essa questão será regulada em uma nova resolução do Conselho Federal de Medicina que ainda não saiu”, completa.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •