Saúde sem Complicações #10: Neuralgia do trigêmeo causa dores na fase

Como um choque, intenso e de curta duração, sintoma é resultado de compressão do nervo trigêmeo por um vaso sanguíneo e é mais comum em idosos. Pode impedir seu portador de praticar atos como encostar a lateral do rosto no travesseiro e mastigar um alimento pela forte dor que causa

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=304152

Saúde sem Complicações #10: Neuralgia do trigêmeo causa dores na fase
Saúde sem Complicações

 
 
00:00 / 28:28
 
1X
 

O nome é estranho, mas quem sofre com neuralgia do trigêmeo conhece bem a angústia das dores nevrálgicas pela face, mais particularmente na região malar (do osso da bochecha e órbita dos olhos) e mandibular. O quadro doloroso pode ser desencadeado por qualquer movimento: encostar a lateral do rosto no travesseiro; o vento na face; lavar o rosto e mastigar um alimento. O impacto na qualidade de vida dos portadores da doença é grande, como informa a professora de neurologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP Fabíola Dach.

Especialista em dor neuropática, Fabíola conta que essa neuralgia, também conhecida como “tic doloroso”, é “um comprometimento de um nervo sensitivo, o nervo do trigêmeo, responsável pela inervação da face”. Antecipa que as causas da doença podem ser várias, mas a forma clássica é resultado da compressão, feita por uma alça vascular (trecho de um vaso sanguíneo), de um de três ramos do nervo trigêmeo. Explica que o primeiro ramo é o frontal, enquanto o segundo e o terceiro ramo encontram-se nas laterais esquerda e direita da face. Mas que normalmente a doença é unilateral ou bilateral e, dificilmente, só em 5% dos casos, é frontal.

A causa mais comum é a compressão do nervo e em pessoas com mais de 50 anos de idade. Mas, alerta que existem casos que podem derivar de processos inflamatórios e de tumores, benignos ou malignos. Assim, é importante procurar o médico para avaliação. O diagnóstico é feito por um clínico que pode necessitar de imagens de ressonância magnética para confirmação. O tratamento, na maioria das vezes, é medicamentoso; mas, caso necessário, o paciente pode ser encaminhado para diferentes tratamentos menos invasivos ou, até mesmo, para cirurgia.

Apesar da forma clássica afetar mais comumente as pessoas mais idosas, crianças e jovens também podem apresentar a doença e fazer o diagnóstico mais preciso é o mais indicado.

Ouça o podcast na íntegra acima.


Saúde sem complicações

Apresentação: Mel Vieira
Coordenação: Rosemeire Talamone
Produção: Mel Vieira e Maju Petroni
Edição Geral: Cinderela Caldeira
Edição Sonora: Mariovaldo Avelino e Luiz Fontana
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: terça-feira, às 13h.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.