Pílula Farmacêutica #94: O medicamento benzetacil é um antibiótico de baixo custo e alta eficácia

Da classe da antiga penicilina, o benzetacil é eficaz contra infecções bacterianas de vias aéreas e sexualmente transmissíveis, em administração injetável e intramuscular

Esta edição do Pílula Farmacêutica fala sobre o antibiótico benzilpenicilina benzatina ou penicilina G, mais conhecida como benzetacil, a temida injeção dolorida. O medicamento é da classe das penicilinas, substância descoberta pelo britânico Alexander Fleming em 1928 que marcou a história da medicina, tornando possível o tratamento de infecções bacterianas que até então representavam sentença de morte.

Apesar de antiga, essa classe de antibióticos continua eficaz e é utilizada, ainda hoje, para tratar infecções de vias aéreas e sexualmente transmissíveis, entre outras. Exemplo deste tipo de medicamento é a amoxicilina.

O que é, para que serve e quais os efeitos colaterais do benzetacil?

Informa a acadêmica Giovanna Bingre, orientada pela professora Regina Andrade, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, que o benzetacil é um antibiótico de baixo custo e de alta eficácia. Tem ação relativamente rápida, sendo possível notar melhora no quadro infeccioso 24 horas após a administração injetável do medicamento, com concentração circulante “no sangue por até 30 dias, dependendo da dose”. É também seguro para uso em gestantes e usado como principal tratamento de sífilis congênita.

Entre os principais efeitos adversos, observam-se dor de cabeça, náuseas, candidíase e dor no local da injeção. Mas os profissionais de saúde também devem ficar atentos para possíveis alérgicos ao benzetacil que podem se tornar casos graves, apesar de raros (de 0,03 a 0,05% das pessoas).

Por que o benzetacil dói?

Primeiro, porque a via de administração é a intramuscular, “a agulha precisa atravessar o músculo, logo tem um tamanho considerável”, comenta a acadêmica. Outro fator é a densidade da solução, além do acúmulo de cristais no frasco da injeção.

Giovanna alerta que antes de ser aplicada a medicação deve ser bem agitada “para que a solubilização dos cristais seja completa” e não lesione a fibra muscular ou o vaso sanguíneo, causando dor. O médico pode ainda pedir a diluição do remédio ou a administração com lidocaína para diminuir o desconforto da aplicação.

A acadêmica diz que é compreensível não querer sentir a dor desta injeção, mesmo considerando seus rápidos resultados. Assim, o médico pode optar por outro antibiótico de administração oral para tratar amigdalites, faringites e outras infecções bacterianas sensíveis à penicilina. Se a indicação for pelo benzetacil, vale assegurar que os adultos recebam a injeção na nádega e as crianças, na perninha.


Pílula Farmacêutica
 
Apresentação: Kimberly Fuzel e Giovanna Bingre
Produção: Professora Regina Célia Garcia de Andrade e Rita Stella
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão 
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda e quarta, às 10h40
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
Veja todos os episódios de Pílula Farmacêutica .


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.