Pílula Farmacêutica #74: Anti-inflamatórios atacam as paredes do estômago

Analgésico eficiente, anti-inflamatório só deve ser usado com prescrição médica por sérios riscos de úlceras gastrointestinais e hemorragia

Jornal da USP
Jornal da USP
Pílula Farmacêutica #74: Anti-inflamatórios atacam as paredes do estômago
/

Esta edição do Pílula Farmacêutica fala sobre o uso de anti-inflamatórios e seus efeitos adversos à saúde. Segundo a acadêmica Giovanna Bingre, orientanda da professora Regina Andrade da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, tomar um medicamento anti-inflamatório é um hábito muito comum entre os brasileiros, mas, como qualquer outro medicamento, o uso sem indicação médica pode trazer danos à saúde.

O que são e como funcionam os anti-inflamatórios?

Giovanna conta que a palavra inflamação vem do latim e significa atear fogo. No organismo, é uma resposta a uma infecção ou lesão e tem a função de eliminar o agente causador e reparar o dano no tecido humano, por exemplo. Assim, os anti-inflamatórios não esteróides (nome dado ao tipo mais comum) agem, impedindo a produção de uma substância chamada prostaglandina. Sem essa molécula, o local da infecção “não emite mais tantos neurotransmissores que recrutam células que aumentam a inflamação,” promovendo analgesia.

Quais são os efeitos colaterais dos anti-inflamatórios?

O problema dos anti-inflamatórios, avisa a acadêmica, está ligado à inibição da prostaglandina, que é uma molécula de grande importância para o bom funcionamento do organismo. Além de ligada à inflamação, está relacionada à manutenção da dilatação dos vasos sanguíneos, à acidez do estômago, contrações uterinas e dos músculos, manutenção da temperatura corporal e controle da dor.

Por isso, destaca Giovanna, a acidez do estômago é um dos principais efeitos adversos dos anti-inflamatórios, aumentando as chances de desenvolvimento de úlceras gastrointestinais e hemorragia, já que a prostaglandina protege a mucosa desses órgãos. Anti-inflamatórios, então, alerta a acadêmica, são contraindicados para pessoas que já têm problemas no estômago e, principalmente, para os idosos, pois a idade aumenta a probabilidade dos danos.

Para as pessoas que necessitarem usar a medicação, Giovanna recomenda que devem seguir orientação do profissional de saúde, informando sempre sobre os problemas no estômago. E ficar sempre atento, pois os anti-inflamatórios podem também causar problemas nos rins, no coração e na retenção de líquidos. Portanto, vale a máxima de nunca usar remédio sem prescrição médica.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.