Pílula Farmacêutica #12: O coronavírus que ameaça o mundo

A família de vírus corona é conhecida desde 1970 e costuma causar infecções respiratórias leves, frequentemente confundida com gripes e resfriados. Acredita-se que a maioria das pessoas já tiveram uma infecção por algum coronavírus leve durante sua vida.

Jornal da USP
Jornal da USP
Pílula Farmacêutica #12: O coronavírus que ameaça o mundo
/

Um novo coronavírus foi detectado final de janeiro, na cidade de Wuhan na China, considerada epicentro do surto da doença. Declarada como emergência global de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde, a epidemia já infectou quase 25 mil pessoas em todo o mundo, a maioria na China que também registrou a maior quantidade de mortes, cerca de 500. No restante do mundo, mais de 180 casos da infecção foram confirmados em 24 países. O Brasil não confirmou nenhum caso, mas mantém 13 suspeitos até o momento.

Especula-se que a origem da transmissão do vírus entre humanos deveu-se, muito provavelmente, ao manuseio de carne de animais infectados, como morcegos ou cobras. Trata-se de uma família de vírus corona, que é grande e conhecida desde os anos sessenta. Esses vírus costumam causar infecções respiratórias leves, que muitas vezes são confundidas com gripes e resfriados. 

Até agora, sabe-se que dois tipos de coronavírus causaram problemas de saúde grave, o SARS e o MERS, segundo a acadêmica Kimberly Fuzel, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP em Ribeirão Preto. 

Para saber mais detalhes sobre os tipos de coronavírus, ouça acima o podcast na íntegra com reportagem de Rita Stella.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.