Momento Tecnologia #34: Sequenciamento genético investiga como a covid-19 age no organismo

Pesquisadores buscam entender, geneticamente, o porquê de algumas pessoas ficarem assintomáticas, pacientes saudáveis terem manifestação grave e alguns idosos terem quadro leve da doença

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=350902

Momento Tecnologia #34: Sequenciamento genético investiga como a covid-19 age no organismo
Momento Tecnologia - USP

 
 
00:00 / 9:49
 
1X
 

Pesquisadores da USP trabalham no sequenciamento genético de pacientes infectados pela covid-19. A ideia é entender os mecanismos de funcionamento da doença e as condições genéticas que levam às suas diferentes manifestações, ou seja, pessoas jovens podem ter quadros graves e idosos podem ter a covid-19 em sua forma leve. A coordenadora do projeto acredita que os resultados podem modificar a condução das políticas públicas de saúde, já que o isolamento social poderia ser restrito aos grupos com risco genético detectado, assim como a prioridade, numa eventual vacinação, enquanto as pessoas que apresentarem menos probabilidade de manifestação grave da covid-19, ou seja, as que possuem genes protetores, poderiam retomar suas atividades.

A coordenadora do estudo, Mayana Zatz, do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências e diretora do Centro de Pesquisas do Genoma Humano e Células-Tronco da USP, explica que uma das principais vantagens do sequenciamento genético de pessoas infectadas pela covid-19 é descobrir quais são os genes de risco, para possibilitar o aumento da proteção dessa população e priorizar a vacinação e os medicamentos: “Essas pessoas devem ser muito mais protegidas e deveriam ser priorizadas quando começarem as campanhas de vacinação. Por outro lado, aqueles que a gente descobre que têm genes protetores, eles poderiam ficar mais sossegados e voltar ao trabalho e às atividades normais muito antes”. 

Mayana informa que a ideia do projeto partiu da grande variabilidade clínica das pessoas infectadas ou em contato com o novo coronavírus. Há pessoas que desenvolvem formas muito graves da doença, pessoas que têm manifestação leve e uma grande proporção de assintomáticos, sem sinal clínico algum, apesar de terem tido contato próximo com pessoas infectadas. “A gente quer entender o porquê dessa variabilidade. A gente acredita que a resposta está na genética, então teria genes de risco naquelas pessoas que desenvolvem as formas mais graves e genes protetores nas pessoas que ficam assintomáticas.”

O sequenciamento genético se apresenta atualmente como um aliado para desvendar o funcionamento do novo coronavírus no organismo e tem tido papel fundamental no mapeamento de doenças, principalmente as raras, como explica Maria Rita Passos Bueno, também do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências e do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco da USP: “A gente hoje conhece o mecanismo genético de mais de 80% dessas doenças raras, que têm pelo menos 7 mil doenças catalogadas. Sem esse sequenciamento, isso não seria possível”. 

O sequenciamento genético de infectados pela covid-19 é realizado em pacientes voluntários. O foco são os assintomáticos e os superidosos, pessoas que passaram dos 90 anos de idade e tiveram quadro leve da doença. Para participar do estudo, basta enviar e-mail para estudocovid@gmail.com.

Para saber mais sobre o sequenciamento genético de pacientes infectados pela covid-19, ouça o podcast na íntegra pelo player acima.


Momento Tecnologia
Edição de roteiro: Denis Pacheco
Edição de som:  Guilherme Fiori
Edição geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: Quinzenalmente, terças-feiras, às 8h05

O Momento Tecnologia vai ao ar na Rádio USP, quinzenalmente, segundas-feiras, às 8h05 – São Paulo 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz e também nos principais agregadores de podcast  Veja todos os episódios do Momento Tecnologia

 

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.