Momento Tecnologia #19: Ultrassom ajuda na recuperação de fraturas ósseas

O Low Intensity Pulsed Ultrasound, mais conhecido como Lipus, é uma tecnologia desenvolvida na Escola de Engenharia de São Carlos que se vale de estímulos mecânicos de baixa intensidade que influenciam na formação do tecido ósseo do nosso esqueleto. Entenda mais sobre isso neste episódio do Momento Tecnologia

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=289469

Momento Tecnologia #19: Ultrassom ajuda na recuperação de fraturas ósseas
Momento Tecnologia - USP

 
 
00:00 / 9:51
 
1X
 

O ultrassom é uma onda mecânica com uma frequência superior ao que o ouvido humano consegue ouvir, e tem aplicações em diversas áreas da saúde, principalmente devido à sua praticidade, acessibilidade e por não ter nenhum efeito colateral. Além dos exames de imagem, comuns durante o período da gravidez, o ultrassom tem outra aplicação médica não tão conhecida: ajudar na recuperação de fraturas de ossos. Este episódio do podcast Momento Tecnologia conta mais sobre o Low Intensity Pulsed Ultrasound, mais conhecido como Lipus, desenvolvido na Escola de Engenharia de São Carlos.

A tecnologia foi criada nos anos 70 e o equipamento nos anos 80, e desde 1994 a tecnologia tem sido usada em vários países. O tratamento consiste basicamente em induzir estímulo mecânico, pois isso forma campos elétricos que influenciam na formação do tecido ósseo do nosso esqueleto. Isso é o que acontece quando caminhamos, por exemplo, mas o Lipus consegue realizar essa função por meios tecnológicos. O equipamento se difere dos usados em fisioterapia, que utilizam intensidades de ultrassom muito mais elevadas.

Segundo José Marcos Alves, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da Escola de Engenharia de São Carlos da USP, “a terapia é indicada para o tratamento de fraturas recentes, de fraturas que apresentam atraso no reparo ósseo e de fraturas onde não ocorre formação óssea, em todo o esqueleto, com exceção de fraturas da coluna vertebral, da face ou do crânio”. No Brasil, esse ultrassom foi usado em larga escala nos anos 80 e entre os anos de 2001 e 2013, mas agora depende de uma empresa que escolha representá-lo comercialmente.

 

Ficha técnica

Reportagem e apresentação: André Netto

Edição de Áudio e Sonorização: Guilherme Fiorentini

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.