Momento Sociedade #12: Subcapitalismo ou socialismo, perguntou FHC em 1964?

“Deste então, nada mudou”, é o que defende José Luiz Portella. Nos governos de Lula e Dilma Rousseff a figura do empresariado nacional reapareceu, ancorada no BNDES e em baixas taxas de juros. A Operação Lava Jato e outros escândalos colocaram a prática em contestação, reacendendo o debate

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=274426

Momento Sociedade #12: Subcapitalismo ou socialismo, perguntou FHC em 1964?
Momento Sociedade - USP

 
 
00:00 / 7:59
 
1X
 

O Momento Sociedade dessa semana discute um trabalho muito importante do Professor Emérito Fernando Henrique Cardoso, do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). O ex-presidente e sociólogo entrevistou empresários durante a mobilização para derrubar João Goulart da Presidência. A tese deu origem ao livro Empresário Industrial e Desenvolvimento Econômico no Brasil, de 1964.

“No limite a pergunta será então, subcapitalismo ou socialismo?”, questionou FHC no final de seu livro, se permitindo uma concessão à ideologia, segundo o doutorando em História Econômica José Luiz Portella, da FFLCH. A pesquisa apontou que a “burguesia nacional”- nos termos da época – tinha mais interesse em se associar ao empresariado de fora do que de ser senhora de uma economia autônoma.

“Hoje, nada mudou”, pontua Portella. Nos governos de Lula e Dilma Rousseff a figura do empresariado nacional reapareceu. “Agora, vinculado ao BNDES e às taxas de juros mais baixas do que as do mercado”, lembra. A Operação Lava Jato e outros escândalos colocaram a prática em contestação, reacendendo o debate. “Tudo deve mudar para que tudo fique como está”, declara o doutorando, citando o escritor italiano Giuseppe Tomasi di Lampedusa.

Fernando Henrique, em sua pesquisa, se debruçou sobre as formulações de Celso Furtado e Hélio Jaguaribe, que, conforme Portella, “representavam o que se pensava na época”. A  academia e setores da esquerda acreditavam que a nova classe urbana, chamada erroneamente de proletariado, deveria se unir a “burguesia nacional”, com o intuito de criar um projeto de desenvolvimento.

O ex-presidente “construiu tijolo a tijolo uma visão mais contemporânea do que de fato ocorria no Brasil”, defende Portella. FHC elaborou uma tipologia do empresariado nascente, na qual o empresário preferia o lucro do investimento estrangeiro do que predomínio sobre a produção local. “Por isso, ele não acreditava em um desenvolvimento autóctone”, conta.

A pesquisa se deu em sequência à tese de doutorado de Fernando Henrique, Capitalismo no Brasil Meridional, e serviu de base para o livro mais importante do sociólogo: Dependência e Desenvolvimento na América Latina. “Ele tateava os primeiros passos do que seria a globalização”, argumenta Portella.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.