Momento Odontologia #59: Língua geográfica pode causar ardência e sensibilidade

Também conhecida como glossite migratória, a doença pode ter origem genética ou desencadeada por estresse e os alimentos condimentados e quentes são os que causam mais desconforto

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=321361

Momento Odontologia #59: Língua geográfica pode causar ardência e sensibilidade
Momento Odontologia - USP

 
 
00:00 / 6:12
 
1X
 

Nicolas Braga, administrador e gerente de Inteligência, tem 39 anos e, desde os 5 ou 6 anos de idade, convive com a chamada língua geográfica. Essa alteração na língua é o tema do Momento Odontologia desta semana, com a doutoranda em Odontopediatria Gisele Carvalho Inácio, da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) da USP.

Gisele explica que língua geográfica, também chamada de glossite migratória, é uma condição benigna que acomete principalmente crianças. Geralmente é detectada durante o exame clínico de rotina da cavidade bucal. As lesões ocorrem em 1% a 3% da população e o sexo feminino é mais afetado que o masculino, o que torna o que ocorreu com Braga quase uma exceção.

As lesões apresentam-se como múltiplas áreas bem demarcadas de vermelhidão que, geralmente, aparecem na ponta ou nas bordas laterais da língua. As lesões aparecem de súbito e desaparecem dentro de alguns dias ou semanas, podendo reaparecer em uma área diferente posteriormente.

A língua geográfica não é contagiosa, segundo Gisele, e suas causas ainda não são claramente determinadas pela ciência; podem ter caráter genético, estar associadas a deficiências nutricionais e estresse, entre outras. No caso de Braga, muito provavelmente, a causa é genética, uma vez que a avó também tinha a lesão.

Braga relata que sentia muito desconforto, especialmente com alimentos ácidos e determinados tipos de queijo, mas nada que atrapalhasse o consumo desses produtos. “Coisas ácidas, como abacaxi, tomate e limão, além de alguns queijos, davam ardor na língua; eu evitava alguns deles, mas as coisas que eu mais gostava eu comia e aguentava um pouquinho.”

Por se tratar de uma condição benigna, Gisele diz que não é indicado nenhum tratamento específico; porém, se o paciente relatar dor ou ardência durante a alimentação, é recomendado fazer o que Braga fazia, ou seja, evitar alimentos e bebidas ácidas e quentes.

Braga encerra dizendo que a fase mais difícil foi na adolescência e que até hoje ainda tem a lesão, com ardor, principalmente com alimentos ácidos, mas o incômodo é muito menor.

Ouça no áudio acima a íntegra do Momento Odontologia.

Produção e Apresentação: Rosemeire Talamone
Co-Produção: Alexandra Mussolino de Queiroz (FORP), Letícia Acquaviva (FO), Paula Marques e Tiago Rodella (FOB)
Edição Sonora: Gabriel Soares
Edição Geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda-feira, às 8h05
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS  
Veja todos os episódios do Momento Odontologia
 
 

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.