Momento Odontologia #51: Fissura labiopalatina atinge uma em cada 650 crianças no Brasil

As causas da malformação podem estar relacionadas a fatores como deficiência nutricional da mãe, exposição da gestante a agentes tóxico-infecciosos, estresse e radiação ionizante durante o período de formação do bebê

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=307536

Momento Odontologia #51: Fissura labiopalatina atinge uma em cada 650 crianças no Brasil
Momento Odontologia - USP

 
 
00:00 / 7:30
 
1X
 

Popularmente conhecida como “lábio leporino”, a fissura labiopalatina é uma malformação mais comum do que se imagina. A prevalência no Brasil é de uma a cada 650 crianças nascidas. Apesar de ser cada vez mais frequente sua descoberta durante a gestação, a chegada de um bebê com fissura ainda provoca um choque e angústia aos pais e familiares. 

Segundo a professora Cleide Felício de Carvalho Carrara, odontopediatra e assistente técnica de direção do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP em Bauru, a fissura labiopalatina é uma condição congênita em que há comprometimento da fusão dos processos faciais entre a quarta e oitava semanas de gestação. A fissura pode atingir diferentes estruturas, além de variar em forma e extensão. Pode ser uma fenda somente no lábio, atingindo ou não o nariz e a região dos dentes, acometer somente o palato (céu da boca) ou simultaneamente lábio e palato. 

As causas não estão ainda totalmente esclarecidas, mas a fissura labiopalatina pode estar relacionada a fatores genéticos e ambientais, como deficiência nutricional da mãe, exposição da gestante a agentes tóxico-infecciosos, estresse e radiação ionizante durante o período de formação do bebê. Após o nascimento, o foco principal é o cuidado nutricional, visando ao ganho de peso e a um bom desenvolvimento global que favoreça condições para as primeiras cirurgias. 

As principais implicações que as fissuras podem trazer ao indivíduo são dificuldade na alimentação, alterações na arcada dentária e na mordida, comprometimento do crescimento facial e do desenvolvimento da fala e da audição. Ao longo dos anos, essa condição pode inclusive trazer impactos sociais e emocionais, como o bullying. Quando não está associada a síndromes e outras anomalias, a fissura não impedirá que a criança se desenvolva intelectualmente, podendo frequentar a escola, ter atividade social e depois profissional. 

O tratamento da fissura labiopalatina é um processo que se inicia desde o nascimento, seguindo durante o período de desenvolvimento e, dependendo do acometimento, até a fase adulta. As áreas de cirurgia plástica, odontologia e fonoaudiologia são consideradas o tripé do tratamento da fissura. No entanto, a equipe de apoio é indispensável para a reabilitação. Envolve áreas e especialidades como pediatria, genética, otorrinolaringologia, psicologia, fisioterapia, enfermagem, nutrição, serviço social, entre outras. 

Produção e Apresentação: Rosemeire Talamone
Co-Produção: Alexandra Mussolino de Queiroz (FORP), Letícia Acquaviva (FO), Paula Marques e Tiago Rodella (FOB)
Edição Sonora: Gabriel Soares
Edição Geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: segunda-feira, às 8h05
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS  
Veja todos os episódios do Momento Odontologia
 
 

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.