Momento Cidade #15: Como São Paulo pode tratar melhor a sua população mais velha?

Para especialistas da USP, é necessário criar mais espaços de convivência, que sejam seguros e estimulem a interação entre as diferentes gerações que compõem a cidade

Por - Editorias: - URL Curta: jornal.usp.br/?p=289789

Momento Cidade #15: Como São Paulo pode tratar melhor a sua população mais velha?
Momento Cidade - USP

 
 
00:00 / 9:57
 
1X
 

Atualmente na cidade de São Paulo existem 1,7 milhão de idosos, o equivalente a 15% dos paulistanos. Em 2050, segundo um estudo da Fundação Seade, os idosos vão corresponder a 30% da população do município. Apesar de as condições de vida estarem melhorando, permitindo que a população envelheça mais, será que as estruturas da cidade estão preparadas para lidar com esses novos números?

Pensando nisso, o Momento Cidade desta semana buscou especialistas para responder: como São Paulo pode tratar melhor a sua população mais velha?

Para a professora Yeda Duarte, da Escola de Enfermagem (EE) da USP, todos nós precisamos “entender que a velhice e o envelhecimento fazem parte dessa sociedade. Por isso, o envelhecimento tem que ser incluído e compreendido como parte integrante, participativa e colaboradora desta cidade”. De acordo com a docente, que é fundadora do curso de Gerontologia da USP, o princípio da solidariedade deve ser levado em conta tanto pelo poder público quanto por nós, os indivíduos. Cuidar melhor das nossas calçadas e espaços públicos, portanto, é essencial. Para a professora, “ter uma cidade mais planejada e mais organizada para a população que vive nela é necessário, é respeitoso e é urgente”.

Pesquisas realizadas na USP também comprovam a importância da criação e manutenção de espaços públicos como locais de convivência entre as gerações. Durante o mestrado, defendido em 2019 na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, a arquiteta Mariana Alves buscou entender o que acontece quando grandes universidades são instaladas em bairros ocupados por populações mais velhas.

“Eu fiz um estudo com idosos do bairro Bangu, em Santo André, que recebeu a Universidade Federal do ABC, há 13 anos. O que os idosos relataram foi que a chegada dos estudantes transformou muito o bairro, eles enxergam isso como positivo, mas que eles não se relacionam com os estudantes, cada um fica no seu universo”, conta Mariana.

Para ela, o poder público e, neste caso, as universidades poderiam estimular essa convivência. Além disso, quando se planeja bairros em grandes cidades, é preciso considerar melhor distâncias e deslocamentos. “Todos os bairros deveriam ter uma mínima infraestrutura que oferecesse condições para as pessoas permanecerem ali, de maneira que possam fazer tudo que precisam a pé, utilizando transporte público ou utilizando algum transporte alternativo”, aponta ela.

Na opinião da advogada e professora Bibiana Graeff, idealizadora da disciplina Direitos Humanos e Envelhecimento, ministrada na EACH, “São Paulo se tornará uma cidade mais amiga do idoso e de todos na medida em que promova espaços de escuta e participação política, dos grupos e das pessoas”. Para a especialista, o ponto de partida é ouvir o que os cidadãos querem, já que uma cidade boa para sua população mais velha é uma cidade boa para todos.

Ouça o podcast na íntegra no player acima. Siga no Spotify, no Apple Podcasts ou seu aplicativo de podcast favorito.

Ficha técnica

Reportagem: Denis Pacheco
Edição: Beatriz Juska

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.