Fake News Não Pod #58: A varíola dos macacos não é causada por vacinas

O vírus da varíola dos macacos foi descoberto em 1958, mas a primeira infecção em humanos só foi reportada em 1970

Fake News não Pod - USP
Fake News não Pod - USP
Fake News Não Pod #58: A varíola dos macacos não é causada por vacinas
/

Com os crescentes casos de varíola dos macacos entre humanos, muita desinformação está circulando na rede. No Fake News Não Pod desta semana, a acadêmica Laura Colete Cunha explica o que é a doença, como é transmitida e como se prevenir. 

O vírus da varíola dos macacos foi descoberto em 1958, mas a primeira infecção em humanos só foi reportada em 1970. Os sintomas incluem irritações e lesões na pele, geralmente próximas às genitálias, mas também podem ocorrer nas mãos, peito, face e boca. Os sintomas aparecem dentro de três semanas após a exposição ao vírus e a doença dura de duas a quatro semanas.

Diferentemente da covid-19, em que a transmissão ocorre por pequenas partículas exaladas pelo infectado, a transmissão da varíola dos macacos ocorre por meio do contato próximo com lesões na pele, secreções respiratórias ou por objetos pessoais contaminados, como roupas de cama e de banho. “A transmissão por contato sexual ainda está sendo investigada. Desse modo para se prevenir é importante evitar o contato próximo com infectados e seus objetos de uso pessoal, lavar as mãos com frequência também é recomendado”, afirma.

Segundo Laura, a vacinação contra a varíola comum é cerca de 85% eficaz na prevenção da varíola dos macacos, podendo resultar em uma doença mais branda. Apesar da baixa letalidade, a doença pode oferecer risco para alguns grupos de pessoas com deficiências imunológicas e recém-nascidos. 


Fake News não Pod
Produção: Vydia Academics, Pretty Much Science (PMScience),
Projeto: João Fake News (bit.ly/JoaoFakeNews).
Roteirista e apresentadora: Laura Colete Cunha
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão Preto
Coordenação: Rosemeire Talamone

 

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.