Estudo resgata trajetória do músico de choro Esmeraldino Salles

Pesquisa realizada na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP coloca em debate o lugar da obra deste compositor e multi-instrumentista negro na memória da cidade de São Paulo

Por
Jornal da USP
Jornal da USP
Estudo resgata trajetória do músico de choro Esmeraldino Salles
/

Nascido em São Paulo, em 1916, o músico e compositor Esmeraldino Salles teve a sua obra investigada pelo pesquisador, e também músico, Felipe Siles de Castro. Na pesquisa intitulada Uma noite no Sumaré: o choro negro e paulistano de Esmeraldino Salles, o pesquisador evidencia que o músico é um compositor com uma assinatura bastante pessoal e que foi capaz de trazer outras linguagens para o choro. Na entrevista desta quinta-feira em Os Novos Cientistas, Felipe Siles falou de seu estudo de mestrado, que foi realizado sob a orientação do professor Marcos Câmara de Castro.

“Podemos dizer que Esmeraldino influenciou toda uma geração de músicos por seu estilo composicional”, disse o pesquisador, destacando que ele já foi gravado por músicos importantes, como Canhoto, Laércio de Freitas, Dominguinhos e Yamandu
Costa. Além disso, foi homenageado e celebrado por meio dos álbuns Ao nosso amigo Esmê (1980), Tributo a Esmeraldino
Salles (2002) e Esmê (2017), e por diversas composições de músicos relevantes como Izaías Bueno de Almeida,
Maurício Carrilho e André Mehmari. “Mas, atualmente, a importância de Esmeraldino para a comunidade no choro não condiz com aquilo que até o momento foi pesquisado sobre sua trajetória”, lamentou Felipe.

O trabalho do pesquisador també traz uma análise de três composições do músico mais conhecidas: Arabiando, Perigoso e Uma Noite no Sumaré. “Foi onde procurei compreender as características do estilo composicional de Esmeraldino e analisar em que as suas músicas deferem dos choros mais tradicionais”, explicou.  O pesquisador também buscou compreender as características específicas da indústria cultural paulista e o impacto sobre a produção de Esmeraldino. “Afinal, podemos sim considerar que ele também foi vítima do racismo estrutural, pois mesmo sendo tão importante, não ocupou o merecido destaque no cenário musical do choro paulistano”, destacou Felipe.

Disponível também na plataforma Spotify


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.