Dois antigos craques do futebol e a construção visual de suas figuras

Pesquisa realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP analisou o futebol e a sua cultura visual. Dois jogadores foram o tema central de seu estudo: Marcos Carneiro de Mendonça e Leônidas da Silva, os mais fotografados entre 1910 e 1942

Por
Jornal da USP
Dois antigos craques do futebol e a construção visual de suas figuras
/

No estudo de doutorado intitulado Futebol e cultura visual: a construção da figura do craque. Marcos Carneiro de Mendonça e Leônidas da Silva (1910-1942) a historiadora Diana Mendes Machado da Silva buscou compreender o processo de construção da figura do craque de futebol na primeira metade do século 20.

Com a orientação do professor Mauricio Cardoso, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, Diana explorou as trajetórias midiáticas de dois jogadores que foram os mais fotografados entre 1910 e 1942, Marcos Carneiro de Mendonça e Leônidas da Silva. Principal goleiro do Fluminense Football Club, Marcos Carneiro era branco e oriundo de altos segmentos sociais. “Ele representa o período do futebol amador e também atuou na seleção brasileira, entre 1910 e 1922”, lembrou a historiadora. Já Leônidas, negro e oriundo das classes populares, jogou entre 1930 e 1950. “Leônidas foi considerado o primeiro craque do futebol. Jogou no Clube de Regatas do Flamengo, no São Paulo Futebol Clube e também na seleção brasileira”, disse a pesquisadora.

A exposição midiática dos dois jogadores revela diferenças. Enquanto Marcos era fotografado em fotos “posadas”, o que era característico do futebol amador, Leônidas tinha sua imagem circulando em periódicos como O Globo Sportivo e O Cruzeiro, sobretudo após sua destacada participação na Copa do Mundo de 1938 e sua transferência para o São Paulo Futebol Clube, em 1942. “As imagens produzidas no futebol profissional mostravam mais os jogos em si e seus principais lances”, destacou Diana.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.