Dois anos após o desastre de Mariana, cientistas detectaram excesso de manganês em peixes do rio Doce

Análises realizadas em 2017, dois anos após o desastre de Mariana (MG), mostraram que o excesso de manganês naquelas águas chegou a 880%, em relação à época do acidente, em 2015

Por
Jornal da USP
Dois anos após o desastre de Mariana, cientistas detectaram excesso de manganês em peixes do rio Doce
/

Pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, analisaram o estuário do rio Doce, no Espírito Santo, e detectaram elevação dos níveis de manganês. As análises foram feitas em 2017, dois anos após o rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, Minas Gerais. O engenheiro ambiental Hermano Queiroz foi o entrevistado de Os Novos Cientistas desta quinta-feira (25) e deu detalhes de seu estudo realizado no Grupo de Estudo e Pesquisa em Geoquímica de Solos, do Departamento de Ciência do Solo (GEPGEoq) da Esalq.

“O excesso de manganês chegou a 880% em comparação aos valores observados em 2015, dias após a chegada dos rejeitos”, aponta Queiroz, que realizou sua tese de doutorado sob orientação do professor Tiago Osório Ferreira, do Departamento de Ciência do Solo. Os valores encontrados em 2017, segundo o pesquisador, foram cinco vezes maiores do que o limite definido pelas diretrizes brasileiras de qualidade da água (Conama, 2005).

De acordo com os resultados, o risco das elevadas concentrações de manganês em água se refletiram em altos teores de manganês em duas espécies de peixes, o bagre amarelo (Cathoropus spixii) e o peixe-gato marinho (Genidens genidens), ambas comumente consumidas pela população local, fato que representa um risco crônico para a saúde das comunidades ali presentes. Queiroz explicou que o manganês é um elemento abundante na natureza e por isso muitas vezes não é percebido como tóxico, mesmo quando encontrando em elevadas concentrações no solo e na água. “Não existem valores limites de manganês para solos, apesar de pesquisas apontarem efeitos tóxicos em plantas, animais e seres humanos”, disse o engenheiro. Mas ele alertou que, nos seres humanos, as elevadas concentrações de manganês são associadas a doenças como o Alzheimer, além de outros distúrbios neurodegenerativos e do sistema nervoso central. O estudo que faz parte da tese de doutorado de Hermano Melo Queiroz (Esalq/USP) e foi publicado na revista Environment International, liderado pelo professor Tiago Osório Ferreira, do Departamento de Ciência do Solo da Esalq/USP, com financiamento da FAPESP, FAPES, CAPES e CNPq.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.