Brasil Latino:  Dora Maria Téllez e Paulo Abrão e a crise política na Nicarágua

Depois de liderar uma revolução popular que despertou esperanças em 1979, Daniel Ortega é acusado de perseguir opositores e promover uma ditadura igual à de Somoza

Por
Jornal da USP
Brasil Latino:  Dora Maria Téllez e Paulo Abrão e a crise política na Nicarágua
/

Em 19 de julho de 1979, quando os sandinistas tomaram o poder na Nicarágua derrotando a longeva ditadura da família Somoza, a América Latina foi tomada por um sentimento de esperança. Aqueles jovens guerrilheiros eram portadores da luta pela independência, justiça social e democracia. Logo após a revolução, avanços foram obtidos como o direito à saúde, educação e terra. Essas conquistas só não foram mantidas e ampliadas por causa da ingerência norte-americana que financiou grupos armados e assim sufocou o processo revolucionário. Por meio de eleições democráticas, a oposição derrotou os sandinistas e assumiu o poder em 1990.

Somente em 2006, a Frente Sandinista de Libertação Nacional voltou ao governo com Daniel Ortega. Nessa altura, o partido já estava dividido. A dissidência sandinista, formada por comandantes guerrilheiros históricos, acusava Ortega e sua família de corrupção e acordos políticos espúrios para se manter no poder.

Em abril de 2018, manifestações populares colocaram o governo em xeque e a repressão policial matou mais de 200 pessoas, segundo relatório da OEA. Desde então, a instabilidade política é permanente. A pandemia agravou os problemas econômicos e atualmente o futuro é incerto.

Para falar sobre a situação da Nicarágua, o Brasil Latino entrevista a comandante guerrilheira Dora Maria Téllez, ex-ministra da Saúde e ex-deputada constituinte, que lidera o partido opositor Unamos, uma dissidência da Frente Sandinista de Libertação Nacional, e Paulo Abrão, especialista em Direitos Humanos na América Latina, PhD em Direito e ex-professor em universidades no Brasil e na Espanha.


Brasil Latino

O Brasil Latino vai ao ar toda segunda-feira, às 17h, pela Rádio USP FM 93,7Mhz (São Paulo) e Rádio USP FM 107,9 (Ribeirão Preto). As edições do programa estão disponibilizadas em @brlatino, nos podcasts do Jornal da USP (jornal.usp.br) e nos agregadores de áudio como Spotify, iTunes e Deezer.

. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.