Ambiente é o Meio #15: Floresta degradada ou regenerada coloca em risco vida de morcegos

Pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) diz que diminuição da atividade de morcegos nessas áreas tem impacto negativo no equilíbrio ambiental

Jornal da USP
Jornal da USP
Ambiente é o Meio #15: Floresta degradada ou regenerada coloca em risco vida de morcegos
/

O podcast Ambiente é o Meio desta semana conversa com Giulliana Appel, doutora em ecologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e criadora da Morcegoteca, primeira biblioteca de ultrassons de morcegos do Brasil. Especialista em morcegos e bioacústica, a pesquisadora fala sobre a importância da espécie para o equilíbrio ambiental. 

Em suas pesquisas, Giulliana estuda como a degradação e regeneração da Floresta Amazônica pode afetar negativamente os morcegos. Capturando os sons dos morcegos com gravadores instalados em florestas, a pesquisadora observou que florestas alteradas e fragmentos em regeneração “têm menor atividade de morcegos”, em comparação a florestas primárias.  

Segundo Giulliana, o Brasil é “um dos países com a maior riqueza de morcegos”, com um total de 181 espécies. E apesar de estudar os morcegos insetívoros aéreos (morcegos que caçam insetos durante o voo), ressalta que “cada um tem a sua importância e função na natureza”.

Os morcegos insetívoros têm “uma grande importância no controle de pragas”, pois se alimentam de insetos que podem se alimentar de folhas em lavouras e também dos  transmissores de doenças, “como o Anopheles, que transmite a malária, e o Culex, que transmite a zika”, adianta. 

Os morcegos frutíferos, por outro lado, são grandes dispersores de sementes. Assim como os nectarívoros, que são polinizadores. No Brasil, existem 18 espécies deste tipo, “inclusive, na caatinga, há um cáctus que só uma espécie de morcego pode polinizar”, dependendo do morcego para se reproduzir. Ainda que muito raros, há também aqueles que se alimentam do sangue de pequenos animais, sendo apenas uma espécie que se alimenta de sangue de mamíferos, informa Giulliana.


Ambiente é o Meio

Produção e Apresentação: Professores Marcelo Marine Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto (ambos professores da FFCLRP)
Coprodução e Edição: Rádio USP Ribeirão 
E-mail: ouvinte@usp.br
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS .
.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.