“Tradição na Engenharia não é questão de gênero”, afirma diretora da Poli

Liedi Légi Bariani Bernucci é a primeira mulher a assumir o cargo nos 124 anos de existência da Escola Politécnica

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
(Da esq. p/ dir.) O ex-diretor da Poli, José Roberto Piqueira; o novo vice-diretor, Reinaldo Giudici; a diretora Liedi Légi Bariani Bernucci; o reitor Vahan Agopyan; o vice-reitor da USP, Antonio Carlos Hernandes; e o secretário-geral da Universidade, Ignacio Maria Poveda Velasco, na cerimônia de posso dos novos dirigentes – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

“Fizemos um programa de gestão e compartilhamos ideias, planos, sonhos para a Poli. Sonhar faz parte. Idealizamos o que desejamos de coração e procuramos os caminhos para concretizar esses sonhos”.

Com essas palavras, a nova diretora a Escola Politécnica (Poli), Liedi Légi Bariani Bernucci, deu início a seu discurso de posse, na cerimônia na qual também foi empossado o novo vice-diretor Reinaldo Giudici, realizada no dia 21 de março, no Auditório do Centro de Difusão Internacional, em São Paulo.

A solenidade reuniu dirigentes da Universidade, autoridades governamentais, representantes de entidades de classe, além de docentes, servidores técnicos e administrativos e alunos da Escola, que lotaram a plateia.

Dentre os projetos previstos para sua gestão, Liedi destacou o incentivo ao crescimento dos intercâmbios e dos duplos diplomas para consolidar a internacionalização no ambiente acadêmico. Segundo ela, nos últimos vinte anos, mais de mil alunos de graduação já participaram do projeto e receberam diplomas da Poli e de instituições internacionais de ponta com as quais a Escola mantém convênios de cooperação.

Os convidados lotaram o auditório do Centro de Difusão Internacional – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Também deverão ser fortalecidos os programas sociais já em desenvolvimento, voltados a estudantes com necessidades socioeconômicas, e fomentado o endowment “Amigos da Poli”. Esta última iniciativa conta com um patrimônio de R$ 20 milhões e seus resultados financeiros são empregados em programas e projetos voltados para a formação dos estudantes.

Sobre o fato de ser a primeira mulher a ocupar o cargo desde a fundação da Unidade, em 1893, a nova diretora ressaltou que “ao eleger uma mulher, a Poli dá a demonstração à sociedade de sua modernidade. E a Poli não rompe com sua tradição, pois tradição na Engenharia não é uma questão de gênero, afinal o símbolo da Engenharia é feminino, a deusa Minerva, deusa da sabedoria e da estratégia de guerra”.

Em sua fala, o reitor da USP, Vahan Agopyan, comemorou o momento de renovação pelo qual a Escola está passando. “Liedi e Reinaldo são dirigentes de uma nova geração de professores, o que significa que a Poli rejuvenesce continuamente. Tenho convicção da competência deles para conduzir a Unidade nos próximos quatro anos e contribuir para que ela continue sendo uma referência mundial no ensino da Engenharia”, afirmou.

O encerramento da cerimônia foi marcado pela apresentação do  Coro de Câmara Comunicantus da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, sob a regência do professor titular de Regência Coral da ECA, Marco Antonio da Silva Ramos.

A cerimônia contou com a apresentação do Coro de Câmara Comunicantus da ECA – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados