“Queremos levar a Escola a uma posição de maior inserção na sociedade”

Afirmação é da diretora da Escola de Enfermagem, Regina Szylit, que tomou posse junto com a vice-diretora, Maria de Fátima Fernandes Vattimo

Editorias: Institucional - URL Curta: jornal.usp.br/?p=269181
Em primeiro plano, a nova diretora da EE, Regina Szylit, na cerimônia de posse – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“Hoje, celebramos a posse de uma nova gestão, mas, mais do que isso, celebramos a enfermagem, que está em destaque no mundo. A Organização Mundial da Saúde e o Conselho Internacional de Enfermagem a colocam em destaque, por exemplo, com o lançamento da campanha global Nursing Now [Enfermagem Agora]. Reconhecem que os enfermeiros e enfermeiras estão na liderança das equipes de saúde, desempenhando um papel crucial na prevenção e no tratamento de enfermidades”.

Assim a nova diretora da Escola de Enfermagem (EE) da USP, Regina Szylit, deu início a seu discurso na cerimônia que marcou sua posse como dirigente da Unidade, realizada no dia 29 de agosto, no auditório da EE. No evento, também foi empossada a nova vice-diretora da EE, Maria de Fátima Fernandes Vattimo.

Regina elencou, dentre os principais desafios da Escola, a busca por novas parcerias institucionais no exterior para a implementação de programas de graduação e de pós-graduação com dupla titulação; a intensificação do programa de professores visitantes e de pós-doutoramento; e a atualização dos programas curriculares acadêmicos.

O evento foi realizado no auditório da Escola e contou com a presença de dirigentes da Universidade – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“Acreditamos que nossa experiência científica, docente e administrativa, em sinergia com as diretrizes gerais da USP e com o apoio dos órgãos colegiados e de toda a comunidade interna, levará a EE a uma posição com ainda maior inserção na sociedade e contribuirá para o fortalecimento da USP como uma universidade de alto impacto”, destacou.

Para o reitor da USP, Vahan Agopyan, a Escola tem um papel de protagonista no ensino e na pesquisa da Enfermagem no Brasil. Agopyan destacou que a EE foi a primeira instituição a criar um programa de doutorado internacional (Dinter) no Brasil, resultado de um convênio com Escola de Enfermagem da Pontifícia Universidade Católica do Chile.

“No final da década de 80 e início da década de 90, discutia-se na Capes [Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior] a necessidade de se ter pós-graduação em Enfermagem, por esta ser considerada uma profissão empírica. A Escola de Enfermagem de São Paulo, em conjunto com sua coirmã de Ribeirão Preto, graças a seu empenho, conseguiram impor o caráter científico a esta profissão, dando a ela a estrutura acadêmica necessária para se consolidar dentro de uma universidade de pesquisa como a USP”, considerou o reitor.

Quem são

A nova diretora da EE, Regina Szylit, e a nova vice-diretora Maria de Fátima Fernandes Vattimo – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Regina Szylit é graduada em Enfermagem pela EE, com mestrado em Enfermagem Pediátrica e doutorado em Enfermagem, todos pela USP. Participou do programa de pós-doutorado na  área de Cuidados Paliativos na Escola de Enfermagem da Universidade de Yale, nos Estados Unidos. Professora titular da EE desde 2008, é líder do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Perdas e Luto da Escola. Dedica-se à produção de conhecimentos relativos às áreas de enfermagem da família, morte e luto, cuidados paliativos e métodos qualitativos de pesquisa.

Maria de Fátima Fernandes Vattimo possui graduação em Enfermagem, mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Molecular), doutorado em Ciências de Saúde, área de Ciências Básicas de Nefrologia, todos pela Universidade Federal de São Paulo, além de pós-doutorado na Universidade de Indiana – Universidade Purdue, nos Estados Unidos. Coordena estudos relacionados a biomarcadores de lesão renal aguda em pacientes críticos e desenvolve pesquisas sobre a fisiopatologia da lesão renal aguda em modelos experimentais.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •