Pró-Reitoria de Graduação apresenta políticas de inclusão à Educafro

O encontro teve como objetivo apresentar os procedimentos adotados no processo de matrícula

 12/02/2019 - Publicado há 3 anos  Atualizado: 14/02/2019 as 10:02
Por
A reunião aconteceu no gabinete da Pró-Reitoria de Graduação – Foto: Erika Yamamoto/Assessoria de Imprensa da USP

No dia 11 de fevereiro, o pró-reitor de Graduação, Edmund Chada Baracat, reuniu-se com o diretor-executivo da Educafro, Frei David Santos, e outros representantes da ONG para apresentar os procedimentos adotados pela Universidade em casos de denúncias relativas à veracidade das informações prestadas pelos candidatos no processo de matrícula.

O pró-reitor explicou que, ao se matricular, o aluno ingressante no curso de graduação assina uma autodeclaração na qual informa sua cor ou raça e toma ciência de que apenas pessoas com traços fenotípicos pertencentes ao grupo PPI (pretos, pardos e indígenas) farão jus às vagas reservadas às ações afirmativas relativas a esse público.

Baracat afirmou que as denúncias de fraude serão acatadas a partir da apresentação de um boletim de ocorrência, feito presencialmente na delegacia. A partir daí, o denunciado será chamado a reafirmar sua autodeclaração e deverá ser aberta sindicância, ou até mesmo processo administrativo, para apurar a situação.

O aluno perderá a vaga e estará sujeito às sanções criminais caso a fraude seja comprovada.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.