USP inaugura primeiro Centro de Produção Digital

Projeto da Universidade prevê a instalação de 20 CPDs em várias unidades, que servirão para ampliar os recursos voltados para o aprendizado eletrônico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

(da esq. para a dir.) O coordenador da Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI), Gil da Costa Marques; reitora, Suely Vilela; diretor da Faculdade de Saúde Pública (FSP), Chester Luiz Galvão César; na sala de videoconferência do Centro de Produção Digital da FSP, no dia da inauguração

O primeiro Centro de Produção Digital (CPD) da USP, cujo projeto está sendo implantado pela Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) e pela Pró-Reitoria de Graduação, em parceria com as unidades, foi inaugurado no dia 17 de setembro, na Faculdade de Saúde Pública (FSP). A proposta é instalar mais 19 Centros semelhantes ao da FSP em várias unidades, com o objetivo de descentralizar a produção audiovisual da USP, garantindo ferramentas necessárias para melhoria do aprendizado eletrônico.

O Centro da FSP se constituirá em pólo digital para as Unidades do “quadrilátero da Saúde” (composta por Escola de Enfermagem, Faculdade de Medicina, Faculdade de Saúde Pública e Instituto de Medicina Tropical), servindo para treinamento e atualização do quadro de recursos humanos, alunos e docentes. Até o final deste ano, seis outros CPDs serão inaugurados: no Centro de Informática de São Carlos (CISC), cuja data já está marcada para o dia 16 de outubro; no Instituto de Física (IF), na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC); na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP); na Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP); e no Centro de Informática de Ribeirão Preto (CIRP), que ainda não definiram uma data.

A ideia da criação dos CPDs surgiu em 2006, quando a CTI, através do seu coordenador, Gil da Costa Marques, e a Pró-Reitoria de Graduação requisitaram um projeto para a Coordenadoria de Computação Eletrônica (CCE) da USP, para ampliar o conceito do Estúdio Multimeios desenvolvido e criado em 2000 pela CCE, mas que só podia ser usado nas dependências do seu prédio. “O intuito é facilitar o trabalho dos usuários, levando a infraestrutura para os docentes usarem, evitando o deslocamento deles, já que o ideal seria ter um CPD em cada Unidade da USP”, afirma o coordenador da CTI.

No início, a CTI e a Pró-Reitoria de Graduação decidiram implantar seis Centros na USP. Porém, devido à grande receptividade dos dirigentes ao projeto, esse número cresceu para 14 centros. Em julho de 2008, foi realizada uma segunda chamada para receber mais projetos de criação dos CPDs, na qual foram selecionados mais seis centros.

Características

Os CPDs são compostos de sala de videoconferência de alta definição, estúdio, sala de aprendizado eletrônico, e uma sala de controle para gerenciar todas as atividades feitas nestes três ambientes. Os equipamentos podem ser usados em todas as salas, sem precisar de deslocamento. Há a possibilidade também da integração entre os CPDs, semelhante a um link de televisão. A intenção é que um professor possa relatar uma experiência, com interação de outros docentes, pesquisadores ou alunos em outros campi, ou seja, uma aula cooperativa, interativa, com intervenção de alunos, em qualquer parte do mundo, aperfeiçoando as aulas e melhorando os processos de comunicação dentro da universidade. Os CPDs são voltados para a produção de conteúdos digitais, com possibilidade de transmissão via sistema IPTV da USP, mas também para produção de um acervo de materiais didáticos multimídia, lúdicos, e bem produzidos. Foi o que destacou a reitora da USP, Suely Vilela, na ocasião da inauguração do CPD da FSP. “Utilizar a tecnologia da informação em benefício, principalmente, da pesquisa e do ensino é, portanto, ajustar-se aos novos tempos, às exigências do novo século e da sociedade moderna”, disse.

Adaptações

Como este projeto da CTI e da Pró-Reitoria é feito em parceria com as Unidades – estas cuidam da reforma e adequação do espaço físico, enquanto que aquelas são responsáveis pela verba para aquisição dos equipamentos, elas puderam propor e escolher adaptações dos CPDs de acordo com as suas necessidade de utilização. “As Unidades conhecem melhor as suas realidades do que nós da CTI, por isso não proibimos as adaptações, justamente para não engessar os projetos e promova o envolvimento da unidade com o CPD”, ressalta o responsável pela área de projetos multimídias da CTI e coordenador da instalação dos CPDs nas unidades, Gustavo Blengini Faria.

O CPD da Faculdade de Saúde Pública (FSP), por exemplo, com aproximadamente 120 m2, será usado de várias maneiras, mas principalmente para a realização de bancas de dois programas de pós-graduação interinstitucional nas áreas de saúde pública com a Universidade Federal do Acre (UFAC) e a Universidade Federal do Ceará (UFCE).  “Mesmo nas bancas de alunos que estão em São Paulo , é importante a utilização da sala de videoconferência, pois permitirá a participação de mais professores convidados de instituições fora de São Paulo, que não precisarão se deslocar”, afirma o diretor da Faculdade, Chester Luiz Galvão César.

Os projetos dos CPDs que estão sendo desenvolvidos para a Faculdade de Educação (FE) e da Escola de Comunicação e Artes (ECA), por exemplo, tem a sala de videoconferência com formato adequado para defesa de teses. Quatro deles, a CIRP, a Escola de Enfermagem (EE), o Instituto de Biociências (IB) e o IF, escolheram instalar laptops nas salas de aula inteligentes, por serem facilmente usados e não ocuparem muito espaço nas bancadas das carteiras.

No IB, há outras duas adaptações, a primeira, que também foi feita na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), é ter o CPD integrado às salas de aula do bloco didático através de câmeras instaladas nas salas para receber as imagens do estúdio. A segunda, é ter o maior estúdio dos CPDs de São Paulo, com 46 m2, para poder filmar experiências realizadas realizadas com animais de grande porte, perdendo em tamanho apenas para a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP), cujo estúdio será usado também pela TV USP na cidade. Segundo o coordenador da CTI, Gil da Costa Marques, a previsão é de que estes centros sejam instalados em 2010.

A parceria entre a CTI e as unidades continuará após a instalação dos centros, pois a primeira seguirá atuando como centro de referência, o qual treinará as pessoas especializadas ou com experiência na área de multimídia/ audiovisual das unidades, que vão trabalhar nos CPDs, e o primeiro curso será realizado ainda neste ano, com duração de 100 horas.

“A equipe que vai trabalhar no centro da Faculdade de Saúde Pública está muito entusiasmada com o projeto, porque será possível produzir mais conteúdo e divulgá-lo facilmente”, revela o coordenador da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) da Faculdade de Saúde Pública, Daniel Marucci. O TIC foi criado recentemente na FSP englobando a seção de informática, audiovisual e comunicação, já que com a instalação do CPD a tecnologia e o conteúdo vão estar juntos.

Uma sala de aula inteligente

A estrutura e equipamentos dos Centros de Produção Digital incluem os seguintes itens: Sala de Videoconferência: Equipada com projetores e telas ou TVs LCD, terminal de videoconferência, microfones e caixas de som. Estúdio: câmera HDV, iluminação e acústica adequada, opções de fundo. Sala de aula inteligente: Dotada de recursos como lousa eletrônica, câmera PTZ e projetores multimídia.

(matéria publicada na edição nº 873, do Jornal da USP)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados