USP inaugura mais um espaço de divulgação do conhecimento

O Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos, órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP, inaugurou na última segunda-feira, dia 5 de outubro, a segunda fase da construção do Bloco Didático de sua Base Avançada de Cultura e Extensão Universitária na cidade de Santos, que servirá para auxiliar na realização das várias atividades feitas no Monumento. Este espaço tem pouco mais de 572 m², composto de um auditório com quase 70 lugares, local para exposição, uma sala multiuso, e uma outra para seminários que comporta 30 pessoas.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

O Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos, órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP, inaugurou na última segunda-feira, dia 5 de outubro, a segunda fase da construção do Bloco Didático de sua Base Avançada de Cultura e Extensão Universitária na cidade de Santos, que servirá para auxiliar na realização das várias atividades feitas no Monumento. Este espaço tem pouco mais de 572 m², composto de um auditório com quase 70 lugares, local para exposição, uma sala multiuso, e uma outra para seminários que comporta 30 pessoas.

(da esquerda para a direita) o vice-diretor do Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos; Anselmo Alfredo; reitora da USP, Suely Vilela; pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária,Ruy Alberto Corrêa Altafim; e o professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), Júlio Roberto Katinsky, nas Ruínas do Engenho

O responsável pela elaboração do projeto de construção desta Base, Júlio Roberto Katinsky, e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), destaca que as Ruínas tornaram-se um ponto turístico em Santos pelos seus atrativos culturais e de difusão do saber. “Além da pesquisa, a USP precisa ter um compromisso muito estreito com a divulgação do seu conhecimento, e as Ruínas servem para isso”. Para o pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da USP, Ruy Alberto Corrêa Altafim, a Base Avançada traz uma mudança: “Trata-se de inaugurarmos uma forma avançada de diálogo, das reflexões necessárias que as Ruínas, enquanto Patrimônio Nacional nos põe”, afirma.

Este Engenho é um dos três mais antigos do Brasil, construído por iniciativa de Martim Afonso de Sousa, em 1532, e por obra do belga Erasmos Schetz, de quem deriva o nome do local. Suas ruínas são tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephat) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos (Condepasa), fato que tornou o terreno das ruínas um Monumento Nacional. As Ruínas pertencem à USP há 51 anos, desde 1958, quando o seu terreno, de 4000 m², foi doado para a Universidade. Na época, este patrimônio ficou vinculado à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), sendo transferido em 1998 para a PRCEU.

Atualmente, são desenvolvidos cinco programas no Engenho. O VouVolto e o i-papo, para alunos do ensino fundamental; o Laboratório de Memórias, feito com moradores do bairro onde está o Engenho, através de entrevistas em áudio e vídeo – em parceria entre a USP e a Universidade Católica de Santos (Unisantos); o portas abertas, realizado no período das férias escolares para toda a família; e o fim de semana temático, no qual acontecem discussões sobre diversos assuntos, como a produção de etanol no país. “Estes projetos ajudam culturalmente a cidade, principalmente pelo fato do Engenho estar localizado em uma zona carente de Santos”, ressalta o educador Rodrigo Christofoletti, que com André Muller de Mello coordena estas atividades. O Monumento atende mais de 12 mil visitantes por ano, cerca de 70% deles constituídos por estudantes de escolas públicas estaduais e municipais.

A reitora da USP, Suely Vilela, lembrou ainda que as Ruínas compõem testemunho único do início da colonização do Brasil. “Estou convicta de que a Base permitirá a ampla qualificação do uso das Ruínas, possibilitando o maior acesso da comunidade aos conhecimentos gerados pela Universidade e consolidando, além disso, a importância deste lugar como patrimônio nacional”. As visitas são gratuitas e realizadas todos os dias, das 9h às 16h, através de agendamento pelo telefone 13- 3203 3901 ou por e-mail ruinasengenho@usp.br O Monumento Nacional Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos está localizado na Rua Alan Ciber Pinto, 96 – na Vila São Jorge, zona noroeste de Santos. Clique aqui para ver mais fotos.

(Foto: Ernani Coimbra)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail