Sedi Hirano, da FFLCH, recebe título de professor emérito

No dia 25 de novembro, Sedi Hirano, professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária no período de 2005-2007, recebeu o título de professor emérito, em cerimônia realizada no Salão Nobre da Congregação da Faculdade.

No dia 25 de novembro, Sedi Hirano, professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária no período de 2005-2007, recebeu o título de professor emérito, em cerimônia realizada no Salão Nobre da Congregação da Faculdade. Uma distinção concedida, segundo o artigo 93 do Estatuto da USP, a professores aposentados, que se destacaram por atividades didáticas e de pesquisa ou contribuído, de modo notável, para o progresso da Universidade; cuja concessão depende de aprovação de dois terços, respectivamente, dos componentes do Conselho Universitário ou das Congregações.

(da esq.p/dir) O chefe do Departamento de Sociologia, Antônio Flávio Pierucci; o novo professor emérito da USP, Sedi Hirano; a diretora da FFLCH, Sandra Margarida Nitrini; e a pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Arminda do Nascimento Arruda.

A diretora da FFLCH, Sandra Margarida Nitrini, iniciou a cerimônia destacando a atuação do professor Hirano como diretor da Unidade, de 2002-2005, na qual foi criada a Comissão de Cooperação Internacional (CCInt); e a elaboração do Plano Diretor, que está em vigor atualmente. “Ele tem a visão de elaborar metas a longo prazo para a Faculdade”.

Dedicação em tempo integral

Após a leitura do termo de outorga do título de professor emérito, o chefe do Departamento de Sociologia, Antônio Flávio Pierucci, revelou uma característica principal de Hirano, “dedicação em tempo integral à USP e principalmente à FFLCH”. A pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Arminda do Nascimento Arruda, também professora do Departamento de Sociologia, foi escolhida para homenagear Hirano na cerimônia, que é “um dos momentos mais importantes na vida acadêmica, a nossa honraria máxima”, ressaltou.

Ela fez um resumo do currículo e das principais realizações da vida acadêmica do professor, citando que Hirano teve o desafio de aceitar o convite do professor Florestan Fernandes (1920-1995) para ocupar a cadeira do professor Fernando Henrique Cardoso, afastado na época pelo regime militar. Orientou mais de 60 estudantes, entre mestrado e doutorado, sem contar as iniciações científicas e pós-doutoramento. “Ele é um retrato acabado do sociólogo e intelectual, formado na FFLCH”, finaliza.

Sedi Hirano é o 45º professor da FFLCH a receber o título de emérito

Após a entrega do diploma pela diretora da FFLCH, Hirano aproveitou para agradecer, emocionado, a homenagem, e falar sobre as leituras feitas antes da sua entrada no curso de ciências sociais da USP, um dos mais concorridos naquela época, e de alguns momentos importantes de sua vida acadêmica, como ter sido assistente de Florestan Fernandes, que, para ele, é o fundador da sociologia como ciência no Brasil.

Hirano possui graduação em Ciências Sociais pela USP, mestrado e doutorado em Sociologia pela mesma Universidade; com experiência na área de Sociologia do Desenvolvimento, atuando nos temas relacionados à América Latina, Leste Asiático, desigualdade, pobreza, trabalho e violência. Foi o presidente da Comissão do Centenário da Imigração Japonesa e, atualmente é o presidente do Conselho Editorial de Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina (Prolam) da USP e membro do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

(Fotos: Ernani Coimbra)

Textos relacionados