Pesquisadora da USP conquista Grande Prêmio CAPES de Teses

A tese foi elaborada a partir de pesquisas com o inseto minador-dos-citrus, que mede apenas três milímetros de comprimento

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

A tese da pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), Ana Lia Parra-Pedrazzoli, conquistou o Grande Prêmio CAPES de Teses "Johanna Döbereiner", na área de Ciências Agrárias, promovido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC). Ela terá direito a diploma, medalha e bolsa de pós-doutorado, por um ano, no exterior.

A pesquisa “Isolamento, identificação, síntese e avaliação de campo do feromônio sexual do minador-dos-citrus, Phyllocnistis citrella Stainton, 1956 (Lepidoptera: Gracillariidae)” concorreu com teses das áreas de Ciências Biológicas I, Ciências Biológicas II, Ciências Biológicas III, Ecologia/Meio Ambiente, Educação Física, Farmácia, Medicina I, Medicina II, Multidisciplinar, Odontologia, Saúde Coletiva, Ciências Agrárias I, Ciência e Tecnologia de Alimentos, Medicina Veterinária e Zootecnia/Recursos Pesqueiros. Pesquisa sintetiza feromônio

A tese foi elaborada a partir de pesquisas com o inseto minador-dos-citrus, que mede apenas três milímetros de comprimento. A praga tem relação com o cancro cítrico, que ataca todas as variedades e espécies de citros, constituindo-se numa das mais graves doenças da citricultura brasileira. A pesquisa incide sobre a identificação de um feromônio, substancia química que a fêmea exala para atrair o macho, utilizado em armadilhas para se atrair o inseto.

Segundo Ana Lia, a pesquisa teve inicio em 2000, quando ainda realizava o mestrado sobre os hábitos comportamentais da praga que ataca as plantações de laranja, e acabou por identificar as características de acasalamento do inseto. “Desenvolvemos um produto tecnológico que ao ser colocado na armadilha pode atrair em um só dia até mil insetos. Como arma de caça, o feromônio sintético atraiu dez vezes mais machos que uma fêmea virgem”, informou.

“Além da premiação, fico feliz que a pesquisa tenha obtido sucesso. É satisfatório saber que a Escola criou um produto que pode ajudar na preservação do meio ambiente, porque reduz o número de inseticidas aplicado, e poderá beneficiar o produtor final quando chegar ao mercado”, finalizou.

A tese de doutorado, intitulada Isolamento, identificação, síntese e avaliação de campo do feromônio sexual do minador-dos-citrus, foi orientada pelo professor Evaldo Ferreira Vilela. Contou ainda com a colaboração dos professores José Mauricio Simões Bento e Walter Soares Leal, da Universidade da Califórnia, em Davis, onde a aluna realizou o doutorado ‘sanduíche’ durante nove meses.

 A pesquisa foi realizada no Programa de Pós-Graduação em Entomologia, do Departamento Entomologia, Fitopatogia e Zoologia da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ).

A Capes ainda não divulgou a data da entrega do prêmio. Mais informações no site www.capes.gov.br/avaliacao/premioscapesteses.html Mais informações com Ana Lia Parra-Pedrazzoli pelo telefone fone: 19 34294199 – r. 235 ou email: algcparr@esalq.usp.br 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail