Euclydes Paschoal Casella, diretor do IEE de 1976 a 1986, recebe homenagem

A cerimônia de homenagem foi realizada na tarde da última quarta-feira, dia 20 de março, como forma de retribuir os serviços prestados pelo engenheiro durante mais de 30 anos.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

“O presente é uma contribuição dos que vieram antes. Nós herdamos o seu trabalho e estamos conduzindo-o com orgulho”, destacou o atual diretor do IEE, Ildo Luís Sauer, na cerimônia de homenagem

(esq. p/ dir.) O homenageado Casella, e os diretores do IEE e da Poli

A sala de reuniões da Administração do Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da USP foi palco de uma homenagem a Euclydes Paschoal Casella, diretor do Instituto no período de 1976 a 1986, na tarde da última quarta-feira, dia 20 de março, como forma de retribuir os serviços prestados pelo engenheiro durante mais de 30 anos.

A cerimônia teve início com o discurso do diretor da Escola Politécnica (Poli), José Roberto Cardoso, que fez um relato sobre a história do IEE e o seu vínculo com a Escola. Ele contou sobre a última vez que viu Casella, há 22 anos, e a primeira vez, há 39 anos, em um laboratório, além de falar das realizações do ex-dirigente do Instituto. “Tive a honra de passar por ele em alguns momentos, que foram marcantes para mim”, finalizou Cardoso.

Reconhecimento

Após o discurso de Cardoso, o homenageado recebeu uma placa comemorativa em nome da direção da Poli e um troféu com a fachada do prédio Ramos de Azevedo, das mãos do atual diretor do IEE, Ildo Luís Sauer.

Depois da entrega das homenagens, Casella agradeceu a generosidade pela homenagem e citou as atividades realizadas pelo Instituto durante o período que trabalhou no mesmo como sendo uma “obrigação ajudar e contribuir nas questões práticas do Governo e com a sociedade”.

A escolha de um troféu com este desenho é simbólico, porque além do prédio Ramos de Azevedo ser o local onde nasceu o então Instituto de Eletrotécnica de Eletrotécnica e no qual permaneceu até 1988, o engenheiro Casella fez sua carreira acadêmica e profissional neste lugar

Porém, ele não deixou de lembrar as dificuldades e obstáculos que a Instituição passou antes de tornar-se um Instituto Especializado da USP em 1986 – quando passou a ser chamado de Instituto de Eletrotécnica e Energia, ampliando seu escopo para a área de energia – pelo fato da atividade realizada não ter muita aceitação da comunidade acadêmica, por acharem que era muito voltada para a prática. Emocionado, Casella encerrou seus agradecimentos: “agora, após 27 anos [depois de sua aposentadoria], volto ao Instituto para agradecer esta alegria e homenagem”.

“O presente é uma contribuição dos que vieram antes. Nós herdamos o seu trabalho e estamos conduzindo-o com orgulho”, disse o atual diretor do IEE no início do seu pronunciamento, que destacou a cooperação histórica entre a Poli e o Instituto, criado através do Decreto nº11.684, de 11 de dezembro de 1940, como anexo à Escola Politécnica. “Casella significa para nós reconhecimento, muito obrigado e parabéns pelo trabalho desenvolvido”, ressaltou Sauer.

História ligada ao Instituto

Euclydes Paschoal Casella é engenheiro mecânico eletricista formado pela Escola Politécnica em 1952. No ano seguinte, assumiu o cargo de engenheiro eletrotecnologista no então Instituto de Eletrotécnica, pelo qual ministrou aulas práticas de medidas elétricas para engenheiros mecânicos eletricistas. No Instituto, Casella foi chefe da Seção de Aferições e Medidas, no período de 1955 a 1976; substituto do diretor, de 1970 a 1976, e diretor de 1976 a 1986, quando aposentou-se.

Casella também recebeu, através do diretor da Poli, uma homenagem pela sua contribuição à engenharia

É autor da publicação “Instituto de Eletrotécnica e Energia: ano Cinquenta”. Durante sua carreira, colaborou com o Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq) e com a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) na análise e acompanhamento de Projetos de Pesquisa, em especial no âmbito do PADCT, e integrou o Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) em vários mandatos.

(Fonte: Instituto de Eletrotécnica e Energia – O Resgate da Memória através de Histórias Vividas, de Rosana Oba, publicação no prelo / Fotos: Ernani Coimbra)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados