Assembleia Legislativa instala Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas

Na cerimônia de instalação da Frente, o reitor Marco Antonio Zago afirmou que o órgão deve “tratar de um projeto amplo de ensino superior no Estado de São Paulo” e apontou três pontos importantes da agenda pública da USP, comuns às outras Instituições: o financiamento, o teto salarial e a inclusão social.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
994X3081
A cerimônia de instalação da Frente foi realizada na sede da Assembleia Legislativa, em São Paulo

O reitor Marco Antonio Zago participou, no dia 19 de abril, na Assembleia Legislativa, da instalação da Frente Parlamentar em Defesa das Universidades Públicas no Estado de São Paulo.

Além do dirigente da USP, estavam presentes ao evento o reitor da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), Júlio César Durigan; o vice-reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Álvaro Penteado Crosta; a reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Soraya Soubhi Smaili; o reitor da Universidade Federal do ABC, Klaus Capelle; e o vice-reitor da Universidade Federal de São Carlos, Adilson de Oliveira; além de representantes do Fórum das Seis e de outras entidades ligadas a instituições de ensino.

Coordenada pelo deputado Carlos Neder, a Frente tem como objetivo, dentre outros, o de promover estudos sobre os desafios das Universidades Públicas no Estado de São Paulo na realização de pesquisa, produção do conhecimento, formação de profissionais e alunos, atividades de extensão e outras voltadas ao desenvolvimento econômico e social, planejamento e gestão das políticas públicas no Estado.

Zago afirmou que a Frente deve “tratar de um projeto amplo de ensino superior no Estado de São Paulo” e destacou três pontos importantes da agenda pública da USP, comuns às das outras Instituições: o financiamento, o teto salarial e a inclusão social.

Sobre o último ponto, o reitor falou das iniciativas da Universidade e do compromisso em ter, até 2018, 50% de alunos oriundos de escolas públicas ingressantes na Instituição. “A inclusão gera a necessidade de aumentar o financiamento para programas de permanência estudantil, e isso precisa ser compartilhado com o Governo Estadual”, considerou.

A Frente será composta por vinte parlamentares e deverá se reunir periodicamente.

(Foto: Ernani Coimbra)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados