67% dos programas de Pós-Graduação foram avaliados com níveis de excelência

Dos 230 programas da USP, 44 receberam nota 7, considerado o conceito mais alto da classificação, e 45 foram avaliados com conceito 6, correspondente a padrões internacionais de qualidade.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou, no dia 10 de dezembro, a Avaliação Trienal 2013, referente ao período de 2010 a 2012, na qual foram analisados 3.337 programas de pós-graduação, que compreendem 5.082 cursos, sendo 2.893 de mestrado, 1.792 de doutorado e 397 de mestrado profissional.

Ao todo, 44 dos 230 programas da USP avaliados receberam nota 7, considerado o conceito mais alto da classificação. Na avaliação passada, esse número foi de 36. Além desses cursos que obtiveram a nota máxima, 45 receberam o conceito 6, indicando um desempenho equivalente a padrões internacionais de qualidade. No Brasil, a USP responde por 22% dos programas com conceitos 6 e 7. Além disso, 66 programas ficaram com a nota 5. Do total de programas avaliados, 67% atingiram nível de excelência (com conceitos 5, 6 e 7).

A Capes também avaliou 60 programas da USP com nota 4 e 15 receberam o conceito 3, o que significa desempenho regular, mas que atende aos padrões mínimo de qualidade.

“Com esse resultado, a USP figura como centro de excelência na Pós-Graduação brasileira, excelência esta construída ao longo de sua trajetória de quase 80 anos, e com investimentos significativos realizados nos últimos anos”, avalia o reitor da Universidade, João Grandino Rodas.

O dirigente cita, por exemplo, o Programa de Incentivo à Pesquisa, lançado em 2010,  e que representa iniciativa inédita dentro do panorama das universidades brasileiras no que tange à indissociabilidade da pesquisa e da pós-graduação. Nesse programa, foram aplicados cerca de R$ 219 milhões de recursos oriundos da própria USP. Uma característica essencial exigida para a submissão das propostas era a participação de pesquisadores de pelo menos duas Unidades diferentes da Universidade, procurando promover sua natureza interdisciplinar, garantindo aos selecionados a transformação do grupo de pesquisa em um Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP).

A Pós-Graduação da USP

A USP possui hoje 23.670 alunos de pós-graduação, dos quais 10.592 de Mestrado e 13.078 de Doutorado. Nos últimos três anos, foram outorgados 17.637 títulos, formando 10.592 mestres e 7.045 doutores. Também, neste período foram celebrados 136 convênios de dupla titulação com Instituições estrangeiras e 806 alunos estrangeiros foram formados.

O pró-reitor adjunto de Pós-Graduação, Arlindo Philippi Junior, destaca, como importantes características que destacam a Pós-Graduação da USP, as parcerias com instituições de ensino superior brasileiras, com a realização de cursos de mestrado e doutorado interinstitucionais; a formação de docentes para integrar os quadros de universidades do mundo todo; o incentivo à internacionalização dos programas, além das estratégias de avaliação interna.

“A busca pela qualidade é um processo contínuo que envolve avaliação constante. A avaliação da Capes cumpre importante papel nesta busca, indicando necessidades de transformações e superação de limites em alguns programas. A USP tem desenvolvido uma série de ações que ampliam a capacidade de coleta e análise dos dados para a avaliação, bem como alavancam o seu desempenho no quadro geral da Pós-Graduação brasileira”, considera Philippi.

Para o pró-reitor adjunto, “estamos mantendo o que já conquistamos e estamos avançando”. Ele cita, como exemplo, a produção científica da Universidade que, segundo a base de dados Web of Science, classifica a USP entre as quarenta melhores do mundo em várias áreas, como ciências agrárias, biologia, ciências sociais, entre outras.

Avaliação

O processo de avaliação da Capes contou com a participação de aproximadamente 1.200 consultores, entre professores e pesquisadores de todas as regiões do Brasil. As equipes avaliaram o panorama e as atividades dos programas de Pós-Graduação, durante os anos de 2010, 2011 e 2012, para atestar a qualidade dos cursos, acompanhando sua qualificação. Entre os critérios da avaliação estão a infraestrutura, a proposta do programa, análise do corpo docente e discente e produção intelectual.

Os cursos são separados em 48 áreas de avaliação, e analisados por comissões específicas para cada área. Os cursos recebem notas entre 1 a 7, sendo que as notas 1 e 2 determinam o descredenciamento dos programas.

A avaliação trienal dos cursos de pós-graduação no Brasil é realizada regularmente desde 1976, ou seja, há mais de quarenta anos, e se consolidou como um importante instrumento para certificar a qualidade da pós-graduação no Brasil, resultando em elementos e indicadores que permitem induzir e fomentar ações governamentais de apoio à pós-graduação, identificando assimetrias, impulsionando o avanço científico e fornecendo estudos e subsídios para ações governamentais, de instituições de ensino superior e para as agências de fomento, tanto brasileiras quanto internacionais.

Esse tipo de avaliação, nos moldes em que é realizada na Capes, é inédita no mundo e contribui para o desenvolvimento da pós-graduação brasileira, fornecendo, inclusive, subsídios para fazer avanços na ciência, tecnologia e inovação do país.

Clique aqui para acessar a planilha completa das notas dos programas da USP.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados