Esalq comemora 117 anos homenageando seus símbolos e parceiros

Inaugurada em 3 de junho de 1901, a Esalq é uma das cinco melhores instituições do mundo na área de Ciências Agrárias

A cerimônia foi realizada no dia 4 de junho, no Salão Nobre do Edifício Central da Esalq – Foto: Gerhard Waller/ Divisão de Comunicação da Esalq

A Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq) celebrou seus 117 anos de inauguração em uma cerimônia marcada pelas homenagens às entidades parceiras e aos símbolos da escola.

A solenidade comemorativa foi dividida em três partes, com homenagens a entidades de classe, governamentais, científicas e acadêmicas; celebrações aos registros históricos da instituição; e reverência aos 40 anos do Hino da Esalq, composto pelo professor Zilmar Ziller Marcos e apresentado pela primeira vez na colação de grau da turma de 1978.

O reitor Vahan Agopyan elogiou o compromisso e a contribuição dos egressos para o fortalecimento da escola. “O passado da Esalq é glorioso, mas seu presente é marcante e colocou-a entre as melhores instituições de ensino no mundo. Respeitamos a tradição, honramos nossos princípios e seguimos avançando para manter esta escola no patamar de excelência. O Brasil precisa de uma instituição focada no agronegócio, mas com embasamento científico e alta tecnologia”, lembrou o reitor.

Para o diretor da Esalq, Luiz Gustavo Nussio, “os ex-alunos são o principal patrimônio desta casa, são aqueles que constroem a nossa permanente aura positiva. A reputação da Esalq, nacional e internacionalmente, é resultado da ação de mais de 15 mil esalquianos que levam, todos os dias, uma parte da centelha desta casa. Não somente o conhecimento técnico, mas também a inspiração, a nossa maneira de ser”.

Nussio também ressaltou que a instituição deve ser ousada para atender as demandas da sociedade. “Precisamos nos comunicar de forma cada vez mais assertiva de modo que as pessoas percebam a nossa presença na qualidade da vida cotidiana. Para tanto, seguimos preservando nossas tradições, mas com a certeza de que precisamos ser ousados, pois foi com ousadia que conseguimos contribuir para que o Brasil se transformasse na principal fronteira agrícola em nível global”, disse.

Ressaltando as tradições da escola, a turma de 1967 do curso de Engenharia Agronômica, representada pelo engenheiro agrônomo José Amauri Dimarzio, fez uma entrega simbólica do livro 50 anos da agricultura tradicional ao agronegócio – Foto: Gerhard Waller/ Divisão de Comunicação da Esalq

Prestigiaram a cerimônia o vice-reitor Antonio Carlos Hernandes; o vice-diretor da Esalq, Durval Dourado Neto; o secretário municipal do Meio Ambiente, José Otavio Machado Menten; o pró-reitor de Pós-Graduação, Carlos Gilberto Carlotti Junior; o presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional, Raul Machado Neto; o diretor do Centro de Tecnologia da Informação “Luiz de Queiroz”, Antonio Augusto Franco Garcia; o diretor do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), José Albertino Bendassolli; além de outros dirigentes, docentes, pesquisadores, alunos, políticos e empresários.

O Coral Luiz de Queiroz, regido por Cíntia Pinotti, apresentou Madrugada Piracicabana, de Frei Marcelino de Angatuba, e o Hino da Esalq, com a participação especial de seu compositor, o professor Zilmar Ziller Marcos.

Excelência no ensino e pesquisa

Inaugurada no dia 3 de junho de 1901, a partir do sonho do agrônomo e empresário paulista Luiz Vicente de Sousa Queiroz, a Escola Agrícola Prática São João da Montanha surgiu na propriedade doada por ele ao governo do Estado de São Paulo. Inicialmente ligada à Secretaria de Agricultura, a escola foi uma das unidades fundadoras da Universidade de São Paulo, em 1934.

Atualmente, a Esalq é uma das cinco melhores instituições do mundo em ensino superior na área de Ciências Agrárias, de acordo com o ranking da US News Report. Oferece sete cursos de graduação e 15 programas de pós-graduação e, desde sua fundação, já formou mais de 14 mil profissionais.

Textos relacionados