Cebrap comemora 50 anos de criação com seminário internacional

Centro foi criado em 1969 por professores expulsos da Universidade por conta da ditadura militar

Editorias: Institucional - URL Curta: jornal.usp.br/?p=245764
(Da esq. p/ dir.) O professor da FFLCH e pesquisador do Cebrap, Fernando Limongi; o cientista político Adam Przeworski; o reitor da USP, Vahan Agopyan; e a presidente do Cebrap, Angela Alonso – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

Democracia, desigualdades, desenvolvimento, movimentos sociais, espaço público e religião foram os temas debatidos durante os três dias de realização do seminário internacional Democracia à brasileira, promovido em comemoração às cinco décadas de atividade do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).

O evento reuniu pesquisadores do Brasil e do exterior, entre os dias 14 e 16 de maio, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. A abertura do seminário, realizada na noite do dia 14, contou com a presença do reitor da USP, Vahan Agopyan; da diretora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Maria Arminda do Nascimento Arruda; do presidente da Agência USP de Cooperação Acadêmica Nacional e Internacional (Aucani), Raul Machado Neto; entre outras autoridades e representantes acadêmicos.

Na ocasião, os participantes tiveram a oportunidade de assistir à conferência do cientista político polonês e professor da Universidade de Nova York, Adam Przeworski, que falou sobre a crise da democracia no mundo. A apresentação do palestrante foi feita pela ex-diretora do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP e pesquisadora sênior do Cebrap, Maria Hermínia Tavares de Almeida.

O Cebrap foi criado em 1969 por um grupo de professores afastados das universidades, principalmente da USP, por força do Ato Institucional nº 5. A ideia era que o Centro servisse como um espaço de produção de conhecimento crítico e independente no Brasil.

Teve como fundadores o ex-presidente da República e professor emérito da FFLCH, Fernando Henrique Cardoso; a demógrafa e professora emérita da Faculdade de Saúde Pública (FSP), Elza Berquó; o filósofo e professor emérito da FFLCH, José Arthur Giannotti; o jurista e professor emérito da Faculdade de Direito (FD), Celso Lafer; e o economista e professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), Paul Singer, entre outros.

Trevas da exceção

Em seu discurso de abertura, a presidente do Cebrap e professora do Departamento de Sociologia da FFLCH, Angela Alonso, abordou a atual situação do País. Rememorando a história do instituto, Angela afirmou que o Cebrap “nasceu na resistência ao obscurantismo e ao autoritarismo. E, meio século depois, é ainda este espírito que nos anima e ilumina”.

A professora salientou que o Centro está preparado para “tempos difíceis” e saudou sua persistência em momentos de maior gravidade. “Nós vingamos, não de parto natural, mas a fórceps. Para quem nasceu nas trevas da exceção, a longevidade em si é um feito”.

Angela também abordou a cooperação existente entre o Cebrap e o Instituto de Estudos Avançados Maria Sibylla Merian (Mecila), do qual é coordenadora.

Criado em abril de 2017, o instituto, instalado no prédio do Centro de Difusão Internacional (CDI), no campus da USP em São Paulo, é voltado para o estudo sobre as formas de convivência entre grupos sociais, políticos, religiosos e culturais em sociedades desiguais, na América Latina e no Caribe, promovendo pesquisas comparativas sobre as interdependências regionais.

Trata-se de um consórcio formado pela USP, pelo Cebrap e por mais cinco instituições: três universidades alemãs — Freie Universität Berlin, Universität zu Köln e Ibero-Amerikanisches Institut —, a Universidad Nacional de La Plata e El Colegio de México.

A palestra de abertura do evento alusivo aos 50 anos do Cebrap teve como convidado o cientista político Adam Przeworski – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.