Campus da USP em Pirassununga completa três décadas

Criado em 1989, o campus “Fernando Costa” é referência nas áreas de veterinária, zootecnia e engenharia de alimentos

Editorias: Institucional - URL Curta: jornal.usp.br/?p=287323
Fachada do Prédio Central da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos – Foto: USP Imagens

No dia 12 de novembro, uma cerimônia celebrou os 30 anos de criação do Campus USP “Fernando Costa”, na cidade de Pirassununga.

O início dessa história é a criação, em 1945, da Escola Prática de Agricultura de Pirassununga, que iniciou suas atividades na fazenda onde hoje está localizado o campus. Em 1957, a Escola foi incorporada à Faculdade de Medicina Veterinária da USP, mas somente em 1989 foi oficialmente criado o campus da USP em Pirassununga.

“Apesar de a USP ter recebido a doação desse terreno no final da década de 1950, foi só em 1989 que a Universidade assumiu o desafio de transformar um terreno praticamente abandonado em um campus universitário, dando condições para as atividades de ensino e pesquisa. Hoje, é um privilégio termos essa infraestrutura como diferencial. Pirassununga é USP”, afirmou o reitor.

Além de dirigentes, docentes, pesquisadores, servidores e estudantes, muitos representantes da Prefeitura de Pirassununga, da Câmara Municipal e de entidades associadas prestigiaram o evento.

Passado e presente

O primeiro prefeito do campus, Pedro Eduardo de Felicio, abriu a cerimônia com um depoimento emocionado sobre as principais dificuldades encontradas nos primeiros anos da implantação.

“A USP possuía uma fazenda enorme, porém improdutiva e dispendiosa. Com a criação da Prefeitura do Campus surgiu uma nova dinâmica, uma nova maneira de pensar e fazer as coisas. Durante quatro anos, nós nos dedicamos diariamente, em tempo integral, para atingir nossas metas. Conseguimos reformar quase todas as edificações, concluímos obras já iniciadas, ampliamos o matadouro. Finalizamos o mandato com a certeza do dever cumprido”, afirmou Felicio.

Em seguida, o atual prefeito do campus, Arlindo Saran Netto, apresentou a estrutura administrada nos dias de hoje e falou sobre as perspectivas futuras. “Todos nós sabemos da importância do agronegócio para a economia nacional, e este campus tem uma grande responsabilidade na formação de profissionais que atuarão nesse mercado de trabalho. Nossas instalações proporcionam um grande diferencial para os alunos e nos últimos anos tivemos um aumento no número de vagas. Agora estamos atuando para adequar o campus e continuar mantendo a qualidade dos cursos oferecidos”, destacou Saran Netto.

O primeiro prefeito do campus de Pirassununga, Pedro Eduardo de Felicio, falou sobre as dificuldades do início de suas atividades – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Transformando Pirassununga

Um aspecto muito relevante que teve destaque na cerimônia foi a interação cada vez mais forte da USP com o município de Pirassununga e região.

“A Universidade tem uma enorme capacidade de gerar mudanças sociais e econômicas. A USP transforma os municípios em que está presente, atraindo pessoas e disponibilizando o conhecimento gerado para a sociedade e para as prefeituras”, explica o vice-reitor Antonio Carlos Hernandes.

Em 2018, Pirassununga foi a cidade escolhida para o lançamento do Programa USP Municípios, coordenado pela Vice-Reitoria. A iniciativa tem o objetivo de criar ambientes de inovação e pôr em prática projetos e ações que promovam o desenvolvimento de municípios e suas regiões, a disseminação do empreendedorismo, o fortalecimento das economias criativas, a qualificação profissional, a modernização dos ecossistemas produtivos e a qualificação técnica de gestores dos municípios do Estado de São Paulo.

Segundo o vice-reitor, “no caso de Pirassununga, a ideia é aproveitar as competências aqui instaladas e transformar a região em uma referência nas áreas de turismo e de alimentos. Para isso, estamos organizando a primeira Feira de Inovação e Tecnologia USP Alimentos, que deve acontecer no ano que vem, aqui neste campus”.

Uma fazenda-escola

Com mais de 2.200 hectares de área total, o Campus USP “Fernando Costa” é o maior em área contígua da Universidade. Possui áreas de cultivo, reservas ecológicas, instalações zootécnicas, fábrica de ração, matadouro-escola, lacticínio, culturas anuais e pastagens para rebanhos de bovinos, suínos, equinos, caprinos, ovinos, búfalos, coelhos e peixes. Graças a esse campus, a USP é uma das poucas universidades do mundo com o diferencial de possuir a cadeia produtiva animal completa, desde a fase do nascimento até o abate.

Com a criação da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), em 1992, o campus intensificou suas atividades e hoje abriga cerca de 2 mil alunos, de graduação e pós-graduação, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) e da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) .

Em 2015, o Conselho Universitário aprovou a proposta de mudança do nome para Campus USP “Fernando Costa”, em homenagem ao interventor federal e ex-prefeito de Pirassununga responsável, entre outras coisas, pela criação das Escolas Práticas de Agricultura.

Portão de Acesso da Escola Prática de Agricultura, na década de 1940 – Foto: Acervo Digital FZEA

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.