Base de Cananeia do Instituto Oceanográfico completa sete décadas de atividade

Instalada no litoral sul paulista, a base oferece apoio às atividades de ensino e pesquisa do Instituto Oceanográfico

 Publicado: 30/09/2021  Atualizado: 08/10/2021 as 21:25

Por Erika Yamamoto

Há 70 anos, em 1951, no mesmo ano em que seria incorporado pela USP, o Instituto Oceanográfico (IO) inaugurou sua primeira base de pesquisa na cidade de Cananeia, litoral sul de São Paulo. O terreno foi escolhido pelo próprio fundador do instituto, o pesquisador franco-russo Wladimir Besnard, e seu colega João de Paiva Carvalho.

A celebração da data foi marcada pela visita do reitor Vahan Agopyan às instalações de Cananeia, nos dias 28 e 29 de setembro, e pela cerimônia de descerramento da placa comemorativa, que contou com a presença do prefeito da cidade, Robson da Silva Leonel. Essa foi a primeira visita de um reitor da USP às instalações da base sul.

Barco de Pesquisa Albacora, principal embarcação da Base – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Cananéia - Foto: Marcos Santos
A bordo da lancha Saphirina os dirigentes observam os sambaquis – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Sambaquis existentes no canal de Cananéia-Iguape – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

“Para a felicidade do Estado de São Paulo, nossos líderes do passado tiveram a visão de que nossa costa é enorme, com uma riqueza incalculável que deveria ser estudada. Eles acreditaram na necessidade de patrocinar e investir na pesquisa e, por causa deles, o Instituto Oceanográfico se tornou uma referência nacional e internacional. Nosso grande desafio, agora, é preservar o que foi construído e preparar o IO para que continue sendo uma referência no futuro”, ressaltou o reitor Vahan Agopyan.

O prefeito Robson da Silva Leonel fez questão de lembrar que conhece a Base desde a infância e costumava brincar em seus espaços. “Fico muito feliz de constatar que, após tantos anos, a Base continua sendo mantida com tanto cuidado. A cidade de Cananeia tem muito orgulho de ter uma instituição como a USP instalada aqui. Os resultados das pesquisas produzidas na Base não ficam restritos ao nosso Estado, ao nosso País, mas são levados ao mundo, contribuindo para o conhecimento, que tem se mostrado cada vez mais necessário nos dias de hoje”, afirmou.

+ Mais

Instituto Oceanográfico inicia as comemorações pelos 75 anos de sua fundação

O protagonista da oceanografia brasileira

Ainda limitada pelas restrições decorrentes da pandemia da covid-19, a visita teve a presença do procurador-geral e superintendente de Relações Institucionais, Ignácio Maria Poveda Velasco, do chefe de Gabinete, Marcos Domingos Siqueira Tavares, e do chefe do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica, Bernardo Luis Rodrigues de Andrade. Acompanharam o prefeito de Cananeia a supervisora de Ensino do Departamento de Educação, Ivani Rosalina dos Santos Topal, e a diretora do Departamento de Turismo, Evelise Teixeira Moaes.

Ao todo, 11 servidores trabalham na Base de Cananéia, incluindo o chefe da base, Leandro Martins, e vice-chefe José Roberto Marques – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Como parte das comemorações pelos 70 anos da Base, foram hasteadas as bandeiras do Brasil, do Estado de São Paulo, da USP e da cidade de Cananéia – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Pesquisa de campo

A diretora Elisabete de Santis Braga da Graça Saraiva, o reitor Vahan Agopyan e o procurador-geral, Ignácio Maria Poveda Velasco - Foto: Marcos Santos

Instalada em um terreno de 8 mil metros quadrados, na região lagunar de Cananeia, a Base de Pesquisa João de Paiva Carvalho oferece apoio às atividades práticas educacionais e aos projetos de pesquisas do Instituto Oceanográfico.

+ Mais

Base do Instituto Oceanográfico em Ubatuba comemora 65 anos

O espaço conta com dois laboratórios multiuso, alojamento com capacidade para receber 70 pessoas, refeitório, um pequeno museu e o Espaço Didático Professor Wladimir Besnard, construído por iniciativa dos próprios funcionários, na atual gestão. A garagem de embarcações abriga o barco de pesquisa Albacora, a lancha Saphirina e a lancha Focker 265, que pertence à Escola Politécnica.

“Todos os pesquisadores que passam pela Base se apaixonam pela região, considerada uma das regiões úmidas mais bem preservadas do mundo. Temos aqui um sistema riquíssimo e intocado, e é um privilégio formarmos nossos alunos nesse sistema que é uma referência”, explicou a diretora do IO, Elisabete de Santis Braga da Graça Saraiva.

A base tem capacidade para abrigar 70 pesquisadores em seus alojamentos – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
O reitor Vahan Agopyan e o prefeito de Cananéia, Robson da Silva Leonel – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Durante todo o ano, o espaço recebe alunos e pesquisadores do IO, de outras unidades da USP, da Unesp, da Universidade Federal do Paraná e de outras instituições nacionais e internacionais. A Base também é bastante frequentada pela comunidade local, especialmente pelas escolas, com as quais realiza diversas atividades, como visitas monitoradas e cursos de aperfeiçoamento.

O reitor aprovou essa atuação com a comunidade e lembrou que “a USP está cada vez mais empenhada em reforçar as atividades que interagem com a sociedade. É importante que as bases de Cananeia e Ubatuba colaborem para a qualidade de vida local, estudando problemas como poluição e alterações ambientais, por exemplo”.

A maquete do litoral de Cananéia é uma das atrações preferidas dos alunos das escolas locais que visitam a Base – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Após um ano e meio fechada por causa da pandemia, os 11 servidores da Base agora preparam as instalações para a retomada gradual das atividades presenciais.

“Tenho a certeza de que estamos preparando o nosso instituto para o futuro e esperamos que a nossa integração com Cananeia seja cada vez mais forte e que a população da cidade tenha orgulho de ter um instituto da USP instalado aqui”, afirmou a diretora.

Explorando o litoral sul paulista

1950 – Aquisição terreno em Cananeia – Foto Instituto Oceanográfico

O Instituto Oceanográfico foi fundado em 1946, pelo pesquisador franco-russo Wladimir Besnard, como Instituto Paulista de Oceanografia (IPO). Primeira instituição brasileira dedicada à pesquisa oceanográfica, o instituto tinha a missão de fornecer bases científicas à pesca e à exploração de recursos disponíveis ao longo do litoral paulista.

No ano seguinte, Wladimir Besnard e João de Paiva Carvalho visitaram várias cidades costeiras, avaliando áreas possíveis para a instalação de suas bases de pesquisa, uma no litoral norte e outra no litoral sul.

Escolhida a região lagunar de Cananeia para a base sul, os esforços foram voltados para a aquisição de equipamentos e a montagem de um laboratório flutuante. Em 1950, o instituto adquire o terreno para a implantação da base de pesquisa e inicia a construção de alojamentos e laboratórios.

1951 -Inauguração da Base de Cananeia – Foto: Instituto Oceanográfico

Em 1951 é inaugurada a Base de Pesquisa João de Paiva Carvalho. No mesmo ano, o instituto foi incorporado à USP como unidade de pesquisa, assumindo seu nome atual e obtendo maior autonomia no cumprimento de suas funções.

1954 – Primeira embarcação da Base – Foto: Instituto Oceanográfico

Em 1954, o IO adquire o Juva-Camburiú, sua primeira embarcação própria utilizada em pesquisas na região estuarina de Cananeia-Iguape. Também neste ano, o instituto obtém um terreno em Ubatuba para a construção da Base Norte.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.