Roda de leitura na USP apresenta literatura feminina brasileira e internacional

Casa de Dona Yayá, espaço da USP no centro de São Paulo, sedia uma série de encontros de literatura focados no universo feminino

 Publicado: 22/09/2022
Próximo Encontro de Leitura Feminina discute a obra A cachorra, da escritora colombiana Pilar Quintana, no Centro de Preservação Cultural da USP – Foto: Divulgação / Intrínseca

 

O Centro de Preservação Cultural (CPC) da USP realiza neste domingo, dia 25 de setembro, às 11 horas, o segundo Encontro de Leitura Feminina. Os encontros são uma série de eventos, realizados no último domingo do mês, de agosto a novembro. O primeiro aconteceu em 28 de agosto, com o livro Olhos d’água, de Conceição Evaristo, enquanto o encontro deste mês será a respeito da obra A cachorra, de Pilar Quintana.

Lançado no Brasil em 2020, o livro tem como tema a maternidade. Tendo a obra como destaque, Pilar participou da Festa Literária Internacional de Paraty, na edição 2020, como uma das principais vozes da literatura latino-americana contemporânea. Na divulgação da participação da autora, a organização do evento destacou sua trajetória pessoal. Mãe aos quarenta anos, como a protagonista de A cachorra gostaria de ter sido, ela conta que escreveu o romance inteiro no celular, enquanto amamentava seu filho.

A proposta dos encontros de leitura é incentivar o contato com obras de importantes autoras da literatura brasileira e internacional para troca de ideias, vivências e percepções. Os títulos escolhidos são obras atuais, de leitura rápida, que têm em comum serem escritas por mulheres e refletirem o universo feminino. A participação é livre e gratuita, mesmo para quem não teve a oportunidade de ler o livro, mas quer acompanhar a conversa.

Os próximos encontros serão realizados nos dias 30 de outubro, sobre a obra A casa mágica, de Stella Maris Rezende, e 27 de novembro, a respeito de Cidadã de segunda classe, da autora Buchi Emecheta. As obras trazem temas como intolerância, preconceito, racismo, xenofobia e violência doméstica.

Sobre o CPC

O Centro de Preservação Cultural (CPC) foi criado em 2002 como órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP. As atividades do centro buscam propiciar reflexões sobre temas que envolvem o patrimônio cultural.

A atual sede do CPC é a Casa de Dona Yayá, localizada no bairro do Bixiga, em São Paulo. Sebastiana de Mello Freire, a Dona Yayá, foi considerada incapaz de administrar sua própria vida e seus bens, recebendo interdição judicial. Yayá viveu reclusa por 40 anos no casarão, imóvel tombado nas instâncias municipal e estadual.

Saiba mais:
https://prceu.usp.br/centro/centro-de-preservacao-cultural/ 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.