Florestan Fernandes - Foto: Arquivo Jornal da USP

Florestan Fernandes - Foto: Arquivo Jornal da USP

Florestan Fernandes deixou lições que ficaram na história da democracia brasileira

Por: Leila Kiyomura
Diagramação: Cleber Siquette

19/06/2020

"Florestan Fernandes era um professor rigoroso e até bravo, mas sensível e muito humano"

Hoje com 90 anos, o Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP João Baptista Borges Pereira lembra com saudade e orgulho as aulas do professor Florestan Fernandes (1920-1995), que define como um docente rigoroso e até bravo, mas sensível e muito humano. “Vivemos uma sincera amizade, mas eu não o tratava como amigo, de igual para igual”, diz Borges Pereira. “Eu o via como um mestre.” No próximo dia 22 de julho, completa-se o centenário de nascimento de Florestan – data que o Jornal da USP vai celebrar com uma série de reportagens.

Quando entrou na USP, o paulistano Florestan Fernandes tinha 21 anos. Fez bacharelado em Ciências Sociais na então chamada Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) da USP, enveredando por um caminho em que questionava as raízes políticas e sociais da formação da sociedade brasileira.

Em 1945, iniciou sua carreira como professor assistente auxiliando o professor Fernando de Azevedo na cadeira de Sociologia II. Entre 1944 e 1946, fez mestrado em Antropologia na Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo – na época incorporada à USP -, iniciando uma ampla pesquisa sobre os índios tupinambá. Uma pesquisa que continuou em sua tese de doutorado, A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá, considerada um clássico da etnologia brasileira.

“Quando entrei na graduação em Ciências Sociais, em 1955, Florestan estava substituindo Roger Bastide e sempre me incentivou a ir para a sociologia, mas acabei optando pela antropologia”, explica João Baptista.

Florestan Fernandes continuou como professor titular interino até 1964, quando se efetivou na cátedra com a tese A Inserção do Negro na Sociedade de Classes, um trabalho que continua atual diante do questionamento sobre a democracia e as questões raciais. Defendia: “Na verdade, nós nos acostumamos à situação existente no Brasil e confundimos tolerância racial com democracia racial. Para que esta última exista, não é suficiente que haja alguma harmonia nas relações raciais de pessoas pertencentes a estoques raciais diferentes ou que pertencem a ‘raças’ distintas”.

Segundo Florestan, democracia significa fundamentalmente igualdade racial, econômica e política. E ponderava: “ O padrão brasileiro de relação social, ainda hoje dominante, foi construído por uma sociedade escravista, ou seja, para manter o negro sob a sujeição do branco. Enquanto esse padrão de relação social não for abolido, a distância econômica, social e política entre o negro e o branco será grande, embora tal coisa não seja reconhecida de modo aberto, honesto e explícito”.

O Professor Emérito João Baptista Borges Pereira, ex-aluno de Florestan Fernandes - Foto: Memória/FFLCH

O aluno João Baptista Borges Pereira e o professor Florestan Fernandes eram vizinhos, moravam no bairro paulistano de Moema. Em 1964, João Baptista apresentou a dissertação de mestrado Cor, Profissão e Mobilidade – O Negro e a Rádio de São Paulo, orientado por Oracy Nogueira, na Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo. Dois anos depois, fez questão de chamar Florestan Fernandes para a banca examinadora da sua tese de doutorado em antropologia, A Escola Secundária numa Sociedade em Mudança, sob orientação de Egon Schaden, também na FFCL. “Ele foi muito severo. Fez muitas críticas, talvez ainda chateado por eu ter seguido a antropologia e não tê-lo chamado como orientador”, relembra. “Mas fui aprovado. E naquele dia voltei devagar para casa. Quando cheguei, encontrei o professor Florestan sentado na sala. Levei um susto. Mas ele disse: ‘Vim me desculpar e parabenizar pelo trabalho’. Fiquei feliz. Era o mestre.” O aluno na antropologia e o professor na sociologia seguiram dividindo ideias e defendendo a ciência e a cultura, o respeito à diversidade e a tolerância.

Em 1964, com o golpe militar, Florestan foi preso. Em 1969, obrigado a se aposentar na USP, foi exilado pela ditadura militar. Viveu no Canadá e nos Estados Unidos. Atuou como professor nas Universidades de Columbia e Toronto. Em 1972, retornou ao Brasil. Em 1977, foi lecionar na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e no ano seguinte voltou ao Brasil contratado pela Universidade Católica (PUC) de São Paulo como professor titular.

João Baptista Borges Pereira homenageia os 100 anos de nascimento de Florestan destacando o seu trabalho na sociologia, reconhecido no Brasil e na América Latina. “Ele orientou inúmeros trabalhos de mestrado e doutorado e tem um legado importante para o passado, o presente e o futuro do País, com cerca de  50 obras publicadas.”

O texto acima, “Florestan Professor”, é o primeiro de uma série de reportagens do Jornal da USP em comemoração ao centenário de nascimento do sociólogo e professor da USP Florestan Fernandes (1920-1995), a ser completado no dia 22 de julho de 2020.

O próximo texto da série, “Florestan Sociólogo”, será publicado no dia 26 de junho, sexta-feira.


.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.